sexta-feira, 28 de agosto de 2020

Um abominável mundo novo.

 

«(...) A engenharia social antevista por Aldous Huxley carecia ainda do computador e das redes digitais como substrato material de controlo. A digitalização do mundo a partir da segunda metade do século XX criou fluxos de comunicação e formas de controlo ubíquas, diferentes das que foram imaginadas por H. G. Wells, Aldous Huxley ou George Orwell, mas também por escritores pós-cibernéticos como Philip K. Dick, J. G. Ballard, William Gibson ou Neal Stephenson. Ainda que o efeito hipnótico e orgiástico do soma e do cinema sensorial possa comparar-se ao ciberespaço como alucinação consensual, a capacidade simulatória do meio digital induziu efeitos psicoactivos cujo alcance psíquico e social talvez seja ainda mais profundo. Além disso, as lógicas finalmente automatizadas do sistema financeiro e da guerra são agora algoritmos programados no sistema cibernético, capazes de desencadear instantaneamente acções catastróficas com repercussões planetárias. Ecranizada, a morte tornou-se um jogo remoto via satélite. O próprio comportamento de consumo das massas se encontra matematicamente programado na infra-estrutura cibernética, usada para monitorizar o consumo, incluindo o consumo frenético e dispositivos de obsolescência programada. A reorganização das práticas quotidianas em função da conexão remota instantânea e da monitorização em tempo real dos desejos e dos estados emocionais dos indivíduos, colaboradores voluntários na avatarização de si próprios como itens na grande base de dados em que o mundo se tornou, é francamente diferente das antevisões ficcionadas literariamente ou projectadas cientificamente nas últimas décadas.

Resenha do Livro: Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley | by Leonardo Reis  | Novos Olhares & Outras Trajetórias | Medium

Os sistemas actuais de vigilância política também não correspondem aos imaginários distópticos de tortura e brutalidade ostensiva ou de propaganda e repressão clandestina, ainda que estas continuem a ser usadas como instrumentos semilegais numa espécie de estado universal de emergência não-declarado de guerra ao terror. A granularidade da vigilância política aperfeiçoou a sua impessoalidade automática, permitindo agora a localização automática individual por coordenadas GPS e a prospecção massiva das redes de comunicação, num desrespeito flagrante pelo direito de privacidade, de que o programa XKeyscore da Agência de Segurança Nacional norte-americana seria apenas um exemplo [Dado a conhecer publicamente através das provas recolhidas e divulgadas por Edward Snowden em 2013, o programa XKeyscore permite fazer vigilância sistemática da Internet, dando aos analistas a possibilidade de pesquisar, sem qualquer autorização prévia, vastas bases de dados contendo correio electrónico, conversação em linha e a história da navegação contida nos browsers de milhões de indivíduos. Cf. Glenn Greenwald, «XKeyscore: NSA tool collects 'nearly everything a user does on the Internet'», The Guardian, 31 de Julho de 2013]. Um número cada vez maior das nossas acções deixa vestígios nos sistemas de dados, traços que são utilizados para monitorizar o comportamento futuro, garantindo a plena conformidade com a administração integral da nossa existência, dos nossos desejos e da nossa imaginação. Todos os sistemas recolhem dados e todos nos garantem a bondade dessa recolha, levando-nos a assinar contratos que nos colocam numa posição marcadamente assimétrica, alimentando-os com a informação que nos será instantes depois vendida sob a forma de produtos e serviços, e que servirá para programar no sistema os nossos perfis de consumidores e cidadãos. A virtualização da economia e da identidade permite agora reconstituir na rede digital electrónica um número crescente de interacções e realidades como puros fluxos de dados, imagem correlata da abstracção dos mercados financeiros e da ficção do valor.

Admirável mundo novo

A programação dos indivíduos e a engenharia social constituem a essência da relação entre sociedades complexas e tecnologias avançadas: a complexidade das tecnologias implica um sistema ubíquo de controlo e vigilância, que amplifica em simultâneo a dependência do sistema tecnológico e dos seus dispositivos, e os processos globais de administração e controlo. Esta retroalimentação pode ser observada, por exemplo, na forma do aeroporto internacional como instituição totalizante, a qual, para alimentar os aviões com um fluxo constante de passageiros, submete os indivíduos aos processos de controlo e vigilância necessários ao sistema de gestão técnica e financeira das aeronaves. Idênticas descrições poderiam ser oferecidas do complexo técnico-militar, no qual a perigosidade de materiais - incluindo os agentes de guerra química, biológica e nuclear - submete os indivíduos a um controlo e vigilância sistemáticos. O princípio da vigilância instituiu-se como princípio universal na definição do comportamento das instituições relativamente aos indivíduos, alargando-se ao espaço público das ruas e parques. Ser administrado e ser vigiado é essência última do cidadão livre.

O contexto histórico imediato da emergência da distopia de Huxley é o contexto da expansão da civilização urbana industrial - com a sua marcada divisão de classes -, da consolidação dos sistemas de propaganda e violência estatal -, do rápido advento de uma sociedade consumista e hedonista - na qual a inebriação do consumo faz parte do mecanismo de reprodução económica e cultural, sendo mesmo um instrumento para a aceitação generalizada das condições alienadas da existência - e dos avanços científicos e técnicos das primeiras décadas do século XX. O conhecimento das forças fundamentais da natureza e dos códigos que determinam a vida prometiam novas possibilidades de habitar o universo e conjurar o humano. Os testes nucleares do Projecto Manhattan, a partir de 1942, e a descrição da estrutura molecular do ADN, em 1953, constituíram o culminar de processos de investigação nesses dois campos. Ainda que, como refere Huxley no seu prefácio à edição de 1946, a obra se centre mais naquilo que ele descreve como as ciências da vida (biologia, fisiologia e psicologia) do que nas ciências da matéria (física, química e engenharia), a sua interrogação fundamental diz respeito aos efeitos da ciência aplicada e ao modo como a vida se torna um servomecanismo da tecnologia.

A felicidade é uma soberana exigente,... Admirável Mundo Novo -...

Um dos aspectos que caracterizam o admirável mundo novo é a absoluta planificação e administração da existência. A planificação eugénica dos seres humanos permite inscrever no código genético a diferenciação social e naturaliza a evolução artificial obtida através da manipulação genética. Ainda que a programação genética dos indivíduos não tenha chegado ao ponto imaginado por Huxley, a administração e estatização do mundo ampliou-se, em consequência do aumento da complexidade técnica dos processos de produção, comunicação e transporte. Os padrões de organização do trabalho e de circulação de mercadorias e os fluxos das diferentes formas de capital estruturam-se agora à escala mundial, submetendo os indivíduos à lógica autónoma da sua própria reprodução e acumulação infinita. A distribuição desigual da riqueza material, alimentada por um processo obsessivo e auto-referencial de crescimento económico e valorização financeira, continua a manter milhões de seres humanos no limiar da sobrevivência, em estado de servidão e ignorância, sem recursos para comprarem as mercadorias que eles próprios produzem, sem tempo ou condições para aprenderem a ler e a escrever, e sem possibilidade de reparação para o seu sofrimento. 

(...) A prescrição de felicidade no admirável mundo novo em construção tornou-se uma mensagem repetida até à exaustão à medida que as novas tecnologias reforçam a fantasia do controlo, isto é, a ideia de que podemos prever, planificar e controlar tudo o que acontece à nossa volta e tudo o que acontece dentro de nós. A obsolescência programada nos dispositivos e aparelhos que usamos torna-se também a obsolescência programada dos nossos desejos e pensamentos, como se, desapropriados de nós mesmos, só nos restasse consumir, a crédito, o ser que desejaríamos ser e o pensamento que desejaríamos pensar. Talvez o facto mais extraordinário proporcionado pela descrição científica do mundo e pela tradução dessa descrição em complexos sistemas tecnológicos esteja na amplitude e na pregnância das transformações, de tal modo que a possibilidade de um exterior ao admirável mundo novo parece tornar-se cada vez mais impossível. Todas as relações sociais de produção e de consumo e todas as formas de vida e de cultura estão destinadas a refazer-se segundo a lógica da megatecnologia, que torna impensáveis e inimagináveis formas de vida ou de pensamento não domesticadas. A possibilidade de um "selvagem", exterior ao admirável mundo novo, passaria a ser impossível.

Este mundo está excessivamente Huxley – Comunidade Cultura e Arte

A selecção genética - que diferencia alfas e betas de gamas, deltas e epsilões - e a clonagem de embriões garantem uma produção em massa de cada tipo, segundo necessidades de mão-de-obra previamente determinados pelos técnicos de predestinação social. Esta produção fabril administrada de castas de seres humanos em incubadoras mimetiza a estrutura social, com ganhos de eficiência e produtividade sobre os modos de reprodução naturais, controlando os rácios de diferenciação entre masculino e feminino ou entre trabalhadores manuais e trabalhadores intelectuais. O que importa ao sistema é reproduzir a sua própria estrutura, ampliando para o todo social da reprodução biológica humana a fordização, que decompôs e racionalizou as tarefas produtivas numa cadeia de montagem. A própria morte pode ser fordizada e racionalizada, entrando na cadeia de produção.

O desenvolvimento de uma classe administradora, cuja função é supervisionar o funcionamento eficiente de todo o sistema, reflecte a cientifização das modernas práticas de gestão, destinadas a disciplinar os corpos e as mentes, tornando-os mecanismos obedientes da engrenagem. A nomenclatura das instituições e dos espaços sugere quer a funcionalização racionalizada da reprodução de embriões humanos, quer a natureza planificada e administrada de todos os espaços sociais do admirável mundo novo: Centro de Incubação e de Condicionamento de Londres-Central; Depósito de Embriões; Armazém de Orgãos; Sala de Decantação, Sala de Fecundação; Sala de Envasamento; Sala de Predestinação Social; Infantários - Salas de Condicionamento Neopavloviano; director da Incubação e do Condicionamento; administrador residente da Europa Ocidental; Estúdio de Cinema Sensorial de Hounslow; Central Hipnopédica; Companhia-Geral das Secreções Internas e Externas; Hospital para Moribundos de Park Lane.

Admirável Mundo Novo | Expresso | Sugestão de leitura – Antígona

Cabe referir ainda a presença dos media e de dispositivos de propaganda e engenharia das emoções, responsáveis pela produção de um sistema de crenças que sustenta uma determinada ordem social e pela manipulação psicológica e emocional. Antes de conhecermos Helmholtz Watson, autor de cenários para filmes sensoriais e de fórmulas e slogans hipnopédicos, o conglomerado dos media é assim apresentado:

"As diversas secções de propaganda e do Colégio de Engenharia Emocional estavam instalados no mesmo edifício de sessenta andares de Fleet Street. Na cave e nos pisos inferiores encontravam-se as tipografias e os escritórios dos três grandes jornais de Londres, O Rádio Horário, jornal para as castas superiores, A Gazeta dos Gamas, de verde-pálido, e, em papel cor de caqui e usando exclusivamente monossílabos, O Espelho dos Deltas. Depois, seguiam-se os escritórios de Propaganda por Televisão, por Cinema Sensorial, e por Voz e Música Sintéticas, que ocupavam, ao todo, vinte e dois andares. Por cima estavam os laboratórios de investigação e as câmaras acolchoadas onde os escritores de bandas sonoras e os compositores sintéticos levavam a cabo o seu delicado trabalho. Os dezoito últimos andares eram ocupados pelo Colégio de Engenharia Emocional".

A disposição arquitectónica das diversas tecnologias dos media em três secções num mesmo edifício, permite perceber a ecologia diversificada, mas interdependente dos media (imprensa periódica, música gravada, cinema, rádio, televisão) e associá-los à engenharia emocional. O cinema sensorial - capaz de activar conjuntamente os sentidos da visão, da audição, do tacto e do olfacto - aponta para a lógica imersiva das representações, cujo poder holográfico e sensorial lhes permite oferecerem-se como mundos de substituição que compensam a monotonia sensorial e motora da funcionalização industrial dos corpos geneticamente controlados.

O jornalismo clássico no 'admirável mundo novo' | Cefojor

Esta função compensatória cabe também à música sintética e à dose diária de soma. A descrição da saída da fábrica da Companhia-Geral de Televisão, observada pelo Selvagem, mostra a conjugação alienante entre trabalho e não-trabalho:

"Era justamente a hora de saída do turno principal do dia. Uma multidão de trabalhadores das castas inferiores, em bicha diante da estação do monocarril, setecentos a oitocentos homens e mulheres gamas, deltas e epsilões, que não tinham, entre todos, mais do que uma dúzia de fisionomias e estaturas diferentes. A cada um deles o bilheteiro dava, juntamente com o bilhete, uma pequena caixa de cartão com pílulas".

O controlo compensatório da química cerebral e o consumo recreativo de narcóticos são extensões da engenharia social programadora da felicidade. A erotização difusa e omnipresente dos corpos assume idêntica função compensatória, sinal de uma relação inversa entre liberdade sexual e liberdade política e económica. Tal como em Nós, de Evgueni Zamiatine, ou em Mil Novecentos e Oitenta e Quatro, de George Orwell, a troca sexual é manifestação da instrumentalização do desejo, tornado acto funcional colectivo, no qual a ligação afectiva individual perturba a lógica impessoal e meramente abstracta das relações.

Vício em séries de TV: um novo problema da atualidade? - Dr. Cristiano  Nabuco - UOL

No prefácio de 1946, Huxley antevê a eficiência futura do controlo das massas através das formas brandas do poder do Estado, da propaganda dos media e dos sistemas de ensino, cujo verdadeiro fim seria produzir o amor à servidão. A produção fabril de seres humanos - geneticamente modificados, conformados a reproduzirem um sistema de relações alienadas e cuja existência é totalmente administrada - é uma imagem extrema da racionalidade e da eficiência pressupostas pelas tecnologias avançadas de produção. Para um sistema auto-referencial, centrado nas cadeias de produção e de valor, é o próprio ser humano que é necessário reproduzir à sua imagem e semelhança. Produzir uma realidade mais real que a realidade e administrar obsessivamente a existência continuam a fazer parte das utopias tecnológicas dos nossos imaginadores do futuro. Talvez por isso a designação "admirável mundo novo" tenha hoje, além da ressonância irónica original, algo do sabor amargo e melancólico de uma fantasia realizada. Se tornar os indivíduos felizes é fazê-los amar a sua servidão, a função da planificação consiste em continuar a gerar as condições presentes e futuras dessa felicidade servil».

Manuel Portela («Os imaginadores do futuro», prefácio in Aldous Huxley, «Admirável Mundo Novo», Antígona, 1.ª Edição, 2013).


Infelizmente muitos, ainda encaram estas obras como mera ficção, mas se estiverem atentos dar-se-ão conta de que que estamos a viver o futuro, e estamos numa fase de transição, pois, vivemos há anos a fase do retrato de Huxley, começamos hoje a notar essa mesma transição para a fase de Orwell, depois da êxtase vem a ressaca, e que ressaca...

Deixo em baixo uns filmes que seria muito bom verem e partilharem, é importante que tenhamos consciência daquilo em que este mundo rapidamente se está a tornar, um inferno, uma prisão sem paredes nem arames farpados!!! 

Alexandre Sarmento







quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Os lacaios dos senhores do mundo!!!

 


Pormenores infelizmente desconhecidos da grande maioria, todas estas figuras e muitas outras que hoje ocupam a ribalta politica internacional, não passam de caciques dos Donos do Mundo, são os animais de estimação dos donos de Wall Street, da FED, do Sistema Bancário Mundial.

Estes senhores são os empregados, as marionetas dos representantes da única política existente, o Capitalismo comunista, o que parece uma contradição, mas reflictam um pouco, e chegarão também vós a essa conclusão, por vezes além de saber ler nas entrelinhas é preciso olhar um pouco para lá do horizonte!!!

 Johnson, “el Trump británico y sionista apasionado” que ama Israel ...

Boris Johnson.

Esta voz: Angela Merkel e Israel

Angela Merkell

Путин протянул руку помощи европейским евреям: avmalgin — LiveJournal

Vladimir Putin.

Israel's dance with far-right movements across the world

Mateo Salvini.

Macron warns of 'dark shadow' of anti-Semitism - CGTN

Emmanuel Macron.

As Netanyahu returns from Brazil, local Jews feel sidelined | The ...

Jair Bolsonaro.

Fake French nationalists. Marine Le Pen slams anti-semitism to ...

Marine Le Pen.

Justin Trudeau defends anti-Israel UN vote

Justin Trudeau.

Tudo boa gente!!!

O covarde espancamento de um Herói Nacional.

 Nuno Rogeiro @nrogeiro (also in Facebook) on Twitter: "Marcelino da Mata.  Oitenta anos. O militar mais condecorado de Portugal.… "




O MARTÍRIO DE UM HERÓI


Em agenda, quero registar as declarações, feitas em Janeiro de 1976, pelo alferes comando Marcelino da Mata, herói da Guiné, galardoado com a Torre e Espada - um militar que me honro de ter por camarada.

Marcelino da Mata, preso e torturado, no período gonçalvista, é o símbolo de muitas outras vítimas dos cobardes assassinos pêcêpistas, que quase puseram Portugal a ferro e fogo. A defesa dessa gente, a defesa de companheiros de armas, arrastados para a ignomínia da sujeição à arrogância dos tais rapazinhos muito novos, muito "valentes", muito sebentos no corpo e na alma, também a chamámos a nós, os do MDLP.

Declarações do Alferes Comando, MARCELINO DA MATA, sobre a sua prisão e tortura sofridas no RALIS.

- No dia 17/5/75, quando me encontrava em Queluz Ocidental, ouvi pela rádio ser comunicado que me encontrava preso, no RALIS. Perante tal absurdo, dirigi-me ao Regimento de Comandos na Amadora, Unidade onde estava colocado, e falei com o Oficial de Serviço, capitão Ribeiro da Fonseca, ao qual contei o que acabara de ouvir e pedi que esclarecesse a situação.

O capitão Ribeiro da Fonseca, na minha presença, telefonou para o RALIS e falou com o tenente Coronel Leal de Almeida, tendo o mesmo respondido que me deviam levar imediatamente escoltado para esta Unidade. Telefonou ainda o capitão Fonseca para o COPCON falando directamente com o brigadeiro Otelo Saraiva de Carvalho, o qual confirmou que me devia entregar ao RALIS pois estavam concentradas todas as operações nesta Unidade. Foi assim que escoltado por tenente-comando e duas praças fui levado para o RALIS. Uma vez chegado à Unidade referida e enquanto o tenente que me escoltava se dirigia ao oficial de serviço, aproximou-se de mim um furriel armado que me disse ter ordens para me levar para a casa da guarda e manter-me aí incomunicável. Apareceu entretanto um aspirante que me levou para uma sala do edifício do Comando onde permaneci sozinho até às 24.00.

Apareceu depois das 24.00 um indivíduo alto, forte e de cabelo e barba compridos que, intitulando-se segundo comandante do RALIS, mas que depois vim a saber que se tratava de um militante do MRPP conhecido por "RIBEIRO", me estendeu um papel para aí eu escrever tudo o que sabia sobre o ELP.

Mais tarde apareceu um aspirante e um furriel chamado DUARTE e o capitão QUINHONES que tornaram a fazer a mesma pergunta. Uma vez que jamais tinha ligação com o ELP ou qualquer organização outra, respondi-lhe negativamente. Entrou então o capitão QUINHONES MAGALHÃES, disse-me que me ia fazer o mesmo que se fazia na Guiné aos "turras" quando não queriam falar e puxou do seu cinturão no que foi secundado pelo furriel Duarte. Saíu o capitão QUINHONES e regressou acompanhado de outro indivíduo, baixo e forte, que também vim a saber ser do MRPP e conhecido por "JORGE", e mais outro furriel, aos quais o capitão QUINHONES ordenou que me fossem batendo à bruta até que eu confessasse. Apareceu então o tenente coronel LEAL DE ALMEIDA que me disse que os pretos só falavam quando levavam porrada e eram torturados e que não tinha outra solução senão ordenar que me fizessem isso.

Ordenou o capitão QUINHONES que me encostassem à parede e despisse a camisa, o que tive de fazer. Após isto, fui agredido sete vezes com uma cadeira de ferro nas costas o que me provocou vários ferimentos. Não resistindo caí, mas o capitão QUINHONES disse que me pusesse de joelhos e um outro indivíduo que entrou, intitulando-se oficial de marinha agrediu-me mais duas vezes com a cadeira. Após isto o capitão QUINHONES e furriel DUARTE, um de cada lado, agrediram-me com o cinturão por todo o corpo, e eu, que já sentia dores na coluna, senti dores nas costelas e caí novamente no chão.

O capitão QUINHONES ria-se e dizia que o tenente-coronel LEAL DE ALMEIDA queria que eu falasse nem que eu ficasse todo partido e que ele ia mesmo fazer-me falar.

Passados uns momentos, quando me encontrava novamente sentado, e como fizesse tenção de reagir às agressões, algemaram-me e perguntaram-me se eu conhecia uns indivíduos, os quais haviam entrado mais ou menos quando me começaram a agredir com a cadeira de ferro. Como eu dissesse que conhecia alguns deles e outros não foram-me dizendo os nomes apontando para eles e enunciaram um COELHO DA SILVA, um Doutor MAURÍCIO, que não conhecia, e o JOÃO VAZ, ALVARENGA AUGUSTO FERNANDES (BATICAN) e o ARTUR, todos africanos, os quais já conhecia da Guiné. Então o capitão QUINHONES ordenou ao tal "JORGE" que pegasse num fio eléctrico e me torturasse, tendo-me este dado choques nos ouvidos, sexo e no nariz. Pela terceira vez que me fizeram isto desmaei, pois não aguentei.

Quando recuperei tornaram, o capitão QUINHONES e o furriel DUARTE, a agredir-me com os cinturões e a cadeira de ferro, sentindo eu nessa altura que devia estar com fractura da coluna e costelas e tinha vários ferimentos grandes em todo o corpo. Mais uma vez não aguentei e desmaei.

Ao recuperar os sentidos encontrava-me todo molhado e ensanguentado, não tinha movimentos nas pernas e quase não podia respirar além de fortes dores por todo o corpo.

Por volta das 6h do dia 18 trouxeram para junto de mim e dos outros indivíduos que estavam ali presos e já mencionados, o FERNANDO FIGUEIREDO ROSA, também da Guiné, ao qual agrediram com a cadeira de ferro e arrastaram para fora da sala. Entretanto entrou também uma senhora que dizia ser mulher do COELHO DA SILVA à qual o furriel apalpou as nádegas e seios e outras partes do corpo, frente ao marido. Fui algemado, logo a seguir à entrada da senhora, e conduzido à prisão onde um furriel encheu com água, até ao nível dos tornozelos a cela.

Por volta das 23.00 fui retirado da prisão e vi o tenente fuzileiro CORTE REAL e o ex-tenente fuzileiro FALCÃO LUCAS cá fora, os quais ao ver o meu estado me disseram que a eles também lhes tinham dado um "bom tratamento" mas não tanto como o meu. Fui metido, a seguir, numa Chaimite e levado para Caxias onde cheguei já pelas 01.00 ou 02.00 do dia 19/5/75. Chegado a Caxias o capitão tenente XAVIER, e o qual conhecia da Guiné, tratou-me com termos ordinários e obscenos e mandou-me levar para uma cela, apesar de ver o estado em que me encontrava e de me ter queixado e afirmado que necessitava ser assistido clinicamente. Só no dia 21/5/75 e depois de muito insistir com pedidos ao oficial de serviço, aspirante de Marinha, FERNANDES, fui levado à enfermaria de Caxias onde me fizeram os primeiros tratamentos, mas quando era necessário ser radiografado faziam-no sempre às zonas do corpo que não eram aquelas de que me queixava.

Permaneci 150 dias em Caxias e só quando fui libertado e colocado com residência fixa consegui ser tratado convenientemente e soube ter tido fractura de duas costelas e da coluna.


Lisboa, 24 de Janeiro de 1976

MARCELINO DA MATA
ALF. COMANDO».


Alpoim Calvão («De Conakry ao MDLP - dossier secreto).


Em Portugal traidores houve algumas vezes, e depois do 25 de Abril revelaram-se, multiplicaram-se como cogumelos, na verdade não houve revolução alguma, o que aconteceu revestiu-se da maior traição da nossa história, e por isso mesmo tentam ou tentaram eliminar da mesma os nossos heróis, galeria da qual faz parte Marcelino da Mata.

"Ditosa Pátria que tal filho teve."

Descanse em paz, a merecida paz, um homem que cumpriu, como ser humano e como português, um homem que deixa saudade, um exemplo de entrega, um exemplo de coragem, um exemplo de entrega à sua pátria.

Até sempre.

"Se servistes à pátria, que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis, ela o que costuma.“

Padre António Vieira

Alexandre Sarmento





quarta-feira, 26 de agosto de 2020

A macabra descolonização...

 

Mais um relato de alguém que viveu o lamentável cenário da criminosa descolonização, e infelizmente, até à data de hoje, nenhum dos responsáveis foi condenado por esse crime contra a humanidade!!!

"Em Portugal traidores houve, algumas vezes!", poderei acrescentar, demasiadas vezes...

Frase de Camões que assenta como uma luva a este episódio vergonhoso.

Alexandre Sarmento


«Na origem deste contexto da desolada vida angolana surgira em Luanda, em Julho de 1974, a "branca flor", o almirante de pacotilha Rosa Coutinho, com o seu braço armado, um triunvirato tenebroso constituído pelos majores Pezarat Correia e Emídio da Silva e pelo capitão Batalha, amparados por satélites do MFA, muito "esquerdistas". Pairando sobre esta camarilha, o comandante Correia Jesuíno, mentor da Comunicação Social. Na Junta Governativa, além de Rosa Coutinho, o general Silva Cardoso e o comodoro Leonel Cardoso.

Sou testemunha das felonias praticadas por eles. Da sua campanha de raivas desvairadas, inspirada em ideologias estranhas ao povo português e até à idiossincracia dos autóctones angolanos.

Não os travaram escrúpulos para chegarem aos objectivos previamente marcados na estratégia leninista e em que os próceres revolucionários portugueses são meros comparsas, títeres puxados por cordelinhos visíveis, maorinetas que se agitam e estouvadamente dançam ao som e ao ritmo das "balalaikas", músicas aberrantes, que não podem ter eco no peito dos portugueses.

Dicionário Político - António Alva Rosa Coutinho

Assim se esboçou o bailado macabro de Rosa Coutinho, que vagueou pela castigada terra de Angola, Judas sem honra, sem integridade, sem patriotismo. Não vendeu os portugueses ao diabo por trinta dinheiros, mas, vilmente, trespassou-os em leilão de escravos, a quem pagou mais no mercado do Leste.

Rosa Coutinho empurrou-nos, inexoravelmente, para o abismo. Patrulhas do MPLA substituíram, por ordem do "almirante vermelho", os agentes da PSP. Raramente as autoridades portuguesas intervinham, mantendo-se à parte, no gozo mórbido de escandalosos desmandos. Quantos mais morressem, menos regressariam a Portugal. Isso não obstou a que se expulsassem os primeiros oito portugueses, entre os quais o capitão Mendonça. As vítimas pagaram como se tivessem sido algozes.

A nomeação do almirante Rosa Coutinho para presidente da Junta Governativa desfez as nossas últimas dúvidas, que de esperança já não falávamos. Demasiadamente conhecíamos a sua cor política, o ódio e o desejo de vingança que alimentava contra a FNLA que o aprisionara no Zaire, que o mantivera no cárcere, que o sujeitara a sevícias e indignidades que ele talvez só não perdoava, porque tinham sido praticadas em público. Que um elemento da PIDE tivesse arriscado a vida para o libertar não contava para ele. Ia para Luanda sem intuitos de equilíbrio ou de justiça. Ia, não para governar, mas para obedecer às ordens dos seus mentores políticos e para se vingar. De antemão o sabíamos.

O capitão Seara procurou-me para me comunicar que ele e o seu grupo iriam ao aeroporto abater Rosa Coutinho, mal ele desembarcasse do avião. Tentei dissuadi-lo num primeiro encontro. Insistiu. Veio de novo, acompanhado por três "gorilas". Medidos prós e contras, convenci-o de que a consumação do atentado acarretaria terríveis represálias para a etnia branca e prejudicaria, irremediavelmente a FRA.



Rosa Coutinho (a "branca flor") teve os seus percalços, possivelmente assustou-se com determinados tipos de alteração da ordem pública, decerto provocados, muitos deles, por infiltrações de elementos da LUAR e de agentes do PCP. Daí, impor o recolher obrigatório às 21 horas.

Na primeira noite, a população foi para a rua em massa. Intermináveis filas de automóveis buzinaram até o raiar do sol. As bandeiras da UNITA flutuaram em ruas e largos, agitadas com frenesi.

Um pandemónio, de absoluto desrespeito por Alva Coutinho. Desfeiteando-o abertamente, a multidão percorreu a noite, gritando e aclamando Portugal e a UNITA, vexou, agravou e insultou o presidente da Junta Governativa. "Democraticamente". Rosa Coutinho quedou-se, mudo, no palácio.

Fosse como fosse, a vida degradava-se, com a multiplicação de conflitos. Chegou-se à ofensa suprema de arriar a bandeira nacional no muceque do Golfe, de a espezinhar e rasgar, substituindo-a pela do MPLA, perante a passividade de forças portuguesas.

Isso foi razão de um episódio que retrata, fielmente, Rosa Coutinho.

Sentindo o insulto no coração, a etnia branca dirigiu-se ao palácio para manifestar a sua indignação. À frente, a senhora Emília Ferreira, vendedeira de peixe no mercado de Quinaxixe, Maria da Fonte angolana, que, ao volante de um camião se embrenhava na mata, a fim de transportar alimentos para a UNITA, de que era aderente.

CAVALEIROS DO NORTE / BCAV. 8423!: 1 891 - Filme no Quitexe e Neto e  Savimbi no Luso...

Maria Ferreira, com um grupo de companheiros, entrou no palácio e desafiou Rosa Coutinho. Das palavras se passou aos actos e houve quem deitasse as mãos ao pescoço do marinheiro fantoche, que, apavorado, saltou por cima da secretária, para fugir pela janela do gabinete.

Rosa Coutinho, que sempre se mantivera imperturbável, cumprindo ordens "vermelhas", que não atendia queixas, nem reclamações, porque, para ele, tudo se resumia a boatos, desta vez convenceu-se, finalmente, de que nem tudo eram boatos. Estou a imaginá-lo, orelhudo e ridículo, a pular para a mesa, na cobardia da fuga.

Descobriu, no incidente, uma das raras verdades que viria a proferir mais tarde, em Lisboa: Angola não era para timoratos.

soaresno hashtag on Twitter

(...) Rosa Coutinho viajou para Lisboa, onde produziu muitas afirmações interessantes, mas só duas verdadeiras: a de que 85 por cento da população de Angola ainda não optara por qualquer ideário político, cabendo aos brancos escolherem, de acordo com as suas convicções, um dos três movimentos de libertação [salvo seja!]; e que Angola não era para timoratos.

Simplesmente, o "almirante vermelho" olvidou que os brancos tinham de ser timoratos porque não podiam enfrentar, desarmados (e fora ele quem lhes roubara as armas), os militares, os movimentos de libertação e os marginais que infestavam a cidade.

Quem habita a civilização, uma cidade ordenada e em paz, não concebe o que foi a vida em Luanda nesses tempos. Saqueava-se, roubava-se e matava-se, dia e noite, no centro ou nos subúrbios.

Rosa Coutinho voltou a Luanda, quando se realizou a famosa conferência entre uma delegação portuguesa e outra da FNLA, a bordo do iate Mobutu, no rio Zaire. Perdi, como numerosíssimos documentos do meu arquivo pessoal, a minuta do encontro. Em todo o caso, sei que se esclareciam e definiam posições, comprometendo-se a FNLA a respeitar antigos combatentes e que aceitaria o prazo de um ano para a transferência de poderes. O acordo consta de um comunicado da FRA, que bastante contrariou os que o queriam manter em segredo.


Em 7 de Setembro de 1974, deu-se a revolta dos adversários da FRELIMO, como repúdio pela entrega de Moçambique, acordada em Lusaka, à minoria liderada por Samora Machel, e desagravo pelo enxovalho da bandeira nacional, arrastada pelas ruas de Lourenço Marques. Negros desvairados cometeram as maiores vilezas. Contra eles, os portugueses saíram de suas casas, entre os quais Gomes dos Santos, símbolo da razão dos homens espoliados; e o dr. Vitor Hugo Velez Grilo, meu amigo de sempre e irmão por ideal. A capital moçambicana estremeceu, no espasmo final de uma cidade civilizada.

(...) À lupa de um pragmatismo desapaixonado, o Acordo do Alvor fez recuar os angolanos em décadas de civilização. Vaal Neto, instruído e consciente, desabafou, eufórico, na vitória de um grande comissário, mal chegou a Luanda, vindo do Algarve: "Porreiro! Com a independência, irmãos, já não precisamos de trabalhar!" A Pátria dos angolanos eram os portugueses que lha davam. Os mentores do "25 de Abril" quiseram ignorá-lo. Negaram muitas das realidades positivas da acção dos portugueses em África.

Acordos de Alvor

Arredaram as causas para se aferrarem à superficialidade dos efeitos. Construíram sobre areia, viciaram o baralho, desfalcando-o do realismo e abusando da sincera honestidade dos parceiros.

Durante séculos, os portugueses ousaram lutar pelo seu destino. Em Alvor não enfrentaram os próprios sentimentos. Gatos a retirar sardinhas das brasas, taparam os ouvidos ao passado e assinaram a rendição do Ultramar. E os que lá estavam? E os que estavam cá?

Foi desprezada a História e a Razão. Em Alvor, calcaram honra e dignidade. Entretanto, séculos fora, oferecera-se uma Pátria aos que a não tinham. Uma língua aos que se desentendiam nos dialectos. A paz, aos que se combatiam. A valorização da economia, sem desarticular ancestralidades.

O Velho do Restelo apodou de loucura a era dos Descobrimentos. Alvor confirmou que foi ele o único português com os dons de um mágico profeta. Mas apetece dizer, como Dante, na Divina Comédia: "Por mim, por aqui, se vai parar à cidade das lágrimas e da dor".

O Governo de transição tomou posse em 31 de Janeiro de 1975.

De início se viu, pela heterogeneidade dos seus membros, pela sua vaidade, pelo seu orgulho "de destruição", que não dobrariam o Cabo das Tormentas.

Ministros e secretários, na arrogância de altos cargos para que não estavam preparados; no desconhecimento da actualidade angolana, motivado por anos e anos de exílio; na petulância do mando irreflectido, não aceitaram os préstimos da etnia branca, que, lealmente, queria colaborar na obra de um país novo. Astros guindados à pressa para o firmamento politico, cada qual "puxava" para o grupo étnico a que pertencia. Nenhuma bússola os pôde guiar para o caminho da unidade.

Tanto se desentendiam, que os comunicados oficiais eram lidos em português e repetidos em sete línguas que eles chamavam nacionais, mas que eram, apenas, dialectos. Uma como que unidade-desunião, que porfiaram por emendar pelos mais ineficazes meios.

Leis, ninguém as cumpria. Era a inversão dos valores, a anarquia em todos os sentidos.

Em princípios de Outubro, o MPLA, embora tivesse expulsado de Luanda os outros dois movimentos, escassas ilusões alimentava, porque a sua administração se confinava a parte dos distritos de Luanda, do Quanza Norte, do Quanza Sul e a bolsas de Malanje e de Henrique de Carvalho.

Geopedrados: Há 37 anos o pseudo-acordo de Alvor deu origem à independência  de Angola, à fuga dos retornados e a uma brutal guerra civil

Em 11 de Novembro festejou-se a independência.

Na noite de 10 para 11, com mortos e feridos em funestos tiroteios, terminava euforicamente a presença portuguesa em Angola.

No céu escurecido, viam-se o rebentar das granadas de morteiros e as balas tracejantes em fogo de artifício que nos enlutava.

Dias antes, tinham sido retiradas as estátuas existentes em Luanda, excepto a de homenagem aos Combatentes da Grande Guerra, talvez pelo seu peso e volume, talvez porque pensem em a aproveitar, mudando-lhe as legendas. Fosse pelo que fosse, a "Maria da Fonte", como chamavam à estátua, lá ficou. As restantes foram despedaçadas entre arruaças e gritos da malta de selvagens, que nos fazia chegar lágrimas aos olhos. Tive a desfortuna de assistir à depredação dos monumentos a Luís de Camões e a Salvador Correia.

No dia 10, à tarde, o alto-comissário, Leonel Cardoso, mandou arriar a bandeira nacional, meteu-a debaixo do braço e embarcou numa fragata. Do navio, dirigiu a sua mensagem de despedida, fria e protocolarmente. Aparentemente, não o comoveu sentir que enterrava - maestro de uma peça fúnebre, que os vindouros condenarão - cinco séculos de História.

Agostinho Neto foi empossado, a 12, no cargo de Presidente da República Popular de Angola, numa cerimónia realizada no palácio.

Notou-se, de imediato, uma inesperada modificação dos negros. Mostravam-se menos arrogantes e ostentosos. Parecia ser possível restabelecer a convivência com eles, que se tinham quebrado barreiras de retraimento e desconfiança, acentuadas nos últimos meses.

Sol de pouca dura, todavia. A hipersensibilidade da população veio ao de cima, devido à escassez de alimentação. Protestavam e gritavam críticas ao Governo, já então angolano. "Que nos valeu mudar de bandeira e sermos independentes, se agora temos fome?" - ouvi num supermercado de prateleiras vazias.

E a fome é má conselheira. Os géneros em pequena quantidade e a preços fabulosos, produziram novos focos de desordem e de indisciplina social.

A "adjudicação" de Angola ao MPLA era, para nós, ponto assente pelo Governo de Lisboa, que, clara, sistemática e perseverantemente, apostara em retalhar o Ultramar português em Estados comunistas.

Descolonização, a partir do "original processo", é vocábulo de vergonha. Debruço-me sobre uma profecia, que alguém fez, em 1946: "Tempos houve em que os portugueses se dividiam acerca da forma de melhor servir a Pátria; talvez se aproximem tempos em que a grande divisão, o inultrapassável abismo, há-de ser entre os que servem a Pátria e os que a negam". Exemplar de genocídios - nisso o foi. Mais de trezentos mil mortos em Angola, segundo números divulgados pelos movimentos de libertação. Mais de trezentos mil mortos, em assassínios ou pela fuga desordenada ao martírio.

Há quem nunca tenha perdoado a ação do MNE na descolonização

Catorze anos de guerra em 3 frentes coloniais não custaram tantas vidas [nem de perto nem de longe].

Pairando acima dos culpados, a figura em corpo inteiro dessa caricatura paradoxal de militar e político, balanceando-se, como boneco sempre-em-pé, entre o sim e o não, untuoso e ambíguo, aplaudindo prepotências e sancionando desmandos contra quem esteve a seu lado e o serviu: Costa Gomes, que foi comandante-chefe das Forças Armadas em Angola. Um general que mudou de pelo como a osga, requintado no mimetismo do camaleão. Leiam-se o "Extracto de Entrevistas que Definem a Doutrina Sócio-Político-Militar do Comandante-Chefe em Angola - general Francisco da Costa Gomes", edição da CCFAA, Luanda, 1972. E tirem-se conclusões, comparando o seu comportamento depois do 25 de Abril.

Deixei para o fim Mário Soares, ilusionista do socialismo, o "bolacha", como o alcunhavam os alunos do Colégio Moderno. (...) Mário Soares terá de ser julgado, por muito que me doa. Jactando-se de ter acabado com os ricos em Portugal (melhor fora que tivesse acabado com os pobres), Soares sujeitou o seu partido a cão de caça do PC, sujeitando-se a ser capa das sujas lucubrações de Cunhal. E ei-lo, misto de menino de coro e de menino-demónio, a precipitar a tragédia. A descolonização não pode ser descrita em algumas pinceladas, muito embora de cores sombrias. Há que lhe dissecar as causas, enumerar os malefícios, retratar os autores, carregar-lhe os contornos sem tibiezas, sem ódio sufocante, nem piedade hipócrita dos falsos cristãos. Para crime tão monstruoso é indispensável reflectir, averiguar onde começa a desonra dos responsáveis, onde acabou a desvergonha dos vendilhões.

A descolonização bem merece que se lhe dedique um livro branco, em que seja exposto e narrado em pormenor o calvário de quantos deixaram, em África, a  vida, os bens, o coração. Um livro branco sobre os vivos e os mortos, em que os vivos são os mortos e os mortos são os vivos. Um livro branco que estabeleça os parâmetros dos territórios onde pousou a traição.

Recordações da Casa Amarela: Acordo do Alvor / Fotos da altura

Sorriam-se de troça ou a pele se lhes arrepiava de horror, quando os opositores do antigo regime repetiam a frase de Salazar: "Estamos orgulhosamente sós".

Passado o histerismo de uma liberdade que o não é, abertas as janelas do País para o Mundo, bradando, em gritos de "vencedores", que descolonizámos, ficámos "vergonhosamente sós".

"A Europa está connosco - vangloria-se Mário Soares: Qual Europa? Quais os estímulos moral e material que recebemos dela?

Desfaçatez? Desequilíbrio mental? Megalomania? Ginástica política?

A quem serve a demagogia?

Mário Soares, pregoeiro de um País em leilão, não se deteve no preço. Muito? Pouco? Nada? Como se desfolhasse malmequeres... Se a Europa está connosco!...

As lágrimas não podem ser gargalhadas. O silêncio, na barra do tribunal popular, é pactuar com os criminosos.

Eu, refugiado, não me calarei».

Pompílio da Cruz («Angola: Os Vivos e os Mortos»).

Um olhar sobre Camarate, a carta de Farinha Simões.

 

Uma carta em jeito de confissão, poderá haver um certo "romanceamento" na mesma, mas que no essencial explica bastante pormenorizadamente os meandros daquilo que realmente esteve por trás do crime. Com toda a informação e também alguma desinformação a que tenho tido acesso ao longo do tempo, não tenho dúvida alguma em relação, nem à existência de crime, nem ao móbil do mesmo.

Se não se apuraram responsabilidades e ninguém foi responsabilizado criminalmente pelo mesmo, foi exactamente pela razão que muita gente "insuspeita" se beneficiou ou teve a sua quota parte de responsabilidade no mesmo, culpo também muitos daqueles que que não tendo tido ligação directa  a este lamentável episódio, permitiram que os verdadeiros culpados saíssem impunes, os ventos da história um dia se encarregarão de fazer o seu papel e quem sabe, alguns, hoje "heróis", venham a ocupar um lugar nos corredores da galeria dos traidores da pátria.

Alexandre Sarmento


PSD e CDS-PP assinalam 32.º aniversário da morte de Sá Carneiro e ...

«Eu, Fernando Farinha Simões, decidi finalmente, em 2011, contar toda a verdade sobre Camarate. No passado nunca contei toda a operação de Camarate, pois estando a correr o processo judícial, poderia ser preso e condenado. Também porque durante 25 anos não podia falar, por estar obrigado ao sigilo por parte da CIA, mas esta situação mudou agora, ao que acresce o facto da CIA me ter abandonado completamente desde 1989. Finalmente decidi falar por obrigação de consciência.

Fiz o meu primeiro depoimento sobre Camarate, na Comissão de Inquérito Parlamentar, em 1995. Mais tarde prestei alguns depoimentos em que fui acrescentando factos e informações. Cheguei a prestar declarações para um programa da SIC, organizado por Emídio Rangel, que não chegou contudo a ir para o ar. Em todas essas declarações públicas contei factos sobre o atentado de Camarate, que nunca foram desmentidos, apesar dos nomes que citei e da gravidade dos factos que referi. Em todos esses relatos, eu desmenti a tese oficial do acidente, defendida pela Polícia Judiciária e pela Procuradoria-Geral da República. Numa tive dúvidas de que as Comissões de Inquérito Parlamentares estavam no caminho certo, pois Camarate foi um atentado. Devo também dizer que tendo eu falado de factos sobre Camarate tão graves, e do envolvimento de certas pessoas nesses factos, sempre me surpreendeu que essas pessoas tenham preferido o silêncio. Estão neste caso o Tenente Coronel Lencastre Bernardo ou o Major Canto e Castro. Se se sentissem ofendidos pelas minhas declarações, teria sido lógico que tivessem reagido. Quanto a mim, este seu silêncio só pode significar que, tendo noção do que fizeram, consideraram que quanto menos se falar no assunto, melhor.

Nessas declarações que fiz, desde 1995, fui relatando, sucessivamente, apenas parte dos factos ocorridos, sem nunca ter feito a narração completa dos acontecimentos. Estávamos ainda relativamente próximos dos acontecimentos e não quis portanto revelar todos os pormenores, nem todas as pessoas envolvidas nesta operação. Contudo, após terem passado mais de 30 anos sobre os factos, entendi que todos os portugueses tinham o direito de conhecer o que verdadeiramente sucedeu em Camarate. Não quero contudo deixar de referir que hoje estou profundamente arrependido de ter participado nesta operação, não apenas pelas pessoas que aí morreram, e cuja qualidade humana só mais tarde tive ocasião de conhecer, como do prejuízo que constituiu, para o futuro do país, o desaparecimento dessas pessoas. Naquela altura, contudo, Camarate era apenas mais uma operação em que participava, pelo que não medi as consequências. Peço por isso desculpa aos familiares das vítimas, e aos portugueses em geral, pelas consequências da operação em que participei.

Camarate | NewsMuseum

Gostaria assim de voltar atrás no tempo, para explicar como acabei por me envolver nesta operação. Em 1974 conheci, na África do Sul, a agente dupla alemã, Uta Gerveck, que trabalhava para a BND (Bundesnachristendienst) – Serviços de Inteligência Alemães Ocidentais, e ao mesmo tempo para a Stasi. A cobertura legal de Uta Gerveck é feita através do Conselho Mundial das Igrejas (uma espécie de ONG), e é através dessa fachada que viaja praticamente pelo Mundo todo, trabalhando ao mesmo tempo para a BND e para a Stasi. Fez um livro em alemão que me dedicou, e que ainda tenho, sobre a luta de liberdade do PAIGC na Guiné Bissau. O meu trabalho com a Stasi veio contudo a verificar-se posteriormente, quando estava já a trabalhar para a CIA. A minha infiltração na Stasi dá-se por convite da Uta Gerveck, em 1976, com a concordância da CIA, pois isso interessava-lhes muito. Uta Gerveck apresenta-me, em 1978, em Berlim Leste, a Marcus Wolf, então Director da Stasi. Fui para esse efeito então clandestinamente a Berlim Leste, com um passaporte espanhol, que me foi fornecido por Uta Gerveck. 0 meu trabalho de infiltração na Stasi consistiu na elaboração de relatórios pormenorizados acerta das “toupeiras” infiltradas na Alemanha Ocidental pela Stasi. Que actuavam nomeadamente junto de Helmut Khol, Helmut Schmidt e de Hans Jurgen Wischewski. Hans Jurgen Wischewski era o responsável pelas relações e contactos entre a Alemanha Ocidental e de Leste, sendo Presidente da Associação Alemã de Cooperação e Desenvolvimento (ajuda ao Terceiro Mundo), e também ia às reuniões do Grupo Bilderberg. Viabilizou também muitas operações clandestinas, nos anos 70 e 80, de ajuda a grupos de libertação, a partir da Alemanha Ocidental. Estive também na Academia da Stasi, várias vezes, em Postdan-Eiche.

Relativamente ao relato dos factos, gostaria de começar por referir que tenho contactos, desde 1970, em Angola, com um agente da CIA, que é o jornalista e apresentador de televisão Paulo Cardoso (já falecido). Conheci Paulo Cardoso em Angola com quem trabalhei na TVA – Televisão de Angola na altura.

Em 1975, formei em Portugal, os CODECO com José Esteves, Vasco Montez, Carlos Miranda e Jorge Gago (já falecido). Esta organização pretendia defender, em Portugal, se necessário por via de guerrilha, os valores do Mundo Ocidental.

Camarate: Relatório reafirma tese de atentado

Através de Paulo Cardoso sou apresentado, em 1975, no Hotel Sheraton, em Lisboa, a um agente da CIA, antena, (recolha de informações), chamado Philip Snell. Falei então durante algum tempo com Philip Snell. O Paulo Cardoso estava então a viver no Hotel Sheraton. Passados poucos dias, Philip Snell, diz-me para ir levantar, gratuitamente, um bilhete de avião, de Lisboa para Londres, a uma agência de viagens na Av. de Ceuta, que trabalhava para a embaixada dos EUA. Fui então a uma reunião em Londres, onde encontrei um amigo antigo, Gary Van Dyk, da África do Sul, que colaborava com a CIA. Fui então entrevistado pelo chefe da estação da CIA para a Europa, que se chamava John Logan. Gary Van Dyk, defendeu nessa reunião, a minha entrada para a CIA, dizendo que me conhecia bem de Angola, e que eu trabalhava com eficiência. Comecei então a trabalhar para a CIA, tendo também para esse efeito pesado o facto de ter anteriormente colaborado com a NISS – National Intelligence Security Service (Agência Sul-Africana de Informações). Gary Van Dyk era o antena, em Londres, do DONS – Department Operational of National Security (Sul-Africana).

Regressando a Lisboa, trabalhei para a Embaixada dos EUA, em Lisboa entre 1975 e 1988, a tempo inteiro. Entre 1976 e 1977, durante cerca de um ano e meio vivi numa suite no Hotel Sheraton, o que pode ser comprovado, tudo pago pela Embaixada dos EUA. Conduzia então um carro com matrícula diplomática, um Ford, que estacionava na garagem do Hotel. Nesta suite viveu também a minha mulher, Elsa, já grávida da minha filha Eliana. O meu trabalho incluía recolha de informações e contra informações, informações sobre tráfico de armas, de operações de combate ao tráfico de droga, informações sobre terrorismo, recrutamento de informadores, etc. Estas actividades incluem contactos com serviços secretos de outros países, como a Stassi, a Mossad, e a “Boss” (Sul-Africana), depois NISS – National Information Secret Service, depois DONS e actualmente SASS. Era pago em Portugal, recebendo cerca de USD 5.000 por mês. Nestas actividades facilita o facto de eu falar seis línguas. Actuei utilizando vários nomes diferentes, com passaportes fornecidos pela Embaixada dos EUA em Lisboa. Facilitava também o facto de eu falar um dialecto angolano, o kimbundo.

A Embaixada dos EUA tinha também uma casa de recuo na Quinta da Marinha, que me estava entregue, e onde ficavam frequentemente agentes e militares americanos, que passavam por Portugal. Era a vivenda “Alpendrada”.

A partir de 1975, como referi, passei a trabalhar directamente para a CIA. Contudo, a partir de 1978, passei a trabalhar como agente encoberto, no chamado “Office of Special Operations“, a que se chamava serviços clandestinos, e que visavam observar um alvo, incluindo perseguir, conhecer e eliminar o alvo, em qualquer país do mundo, excepto nos EUA. Por pertencermos a este Office, éramos obrigados a assinar uma cláusula que se chamava “plausible denial” que significa que se fôssemos apanhados nestas operações com documentos de identificação falsos, a situação seria por nossa conta e risco, e a CIA nada teria a ver com a situação. Nessa circunstância tínhamos o discurso preparado para explicar o que estávamos a fazer, incluindo estarmos preparados para aguentar a tortura. Trabalhei para o “Office of Special Operations ” até 1989, ano em que saí da CIA.

Aviação de Operações Especiais no Exército Brasileiro (uma ...

Para fazer face a estes trabalhos e operações, as minhas contas dos cartões de crédito do VISA, American Express e Dinners Club, tinham, cada uma, um planfond de 10.000 USD, que podiam ser movimentados em caso de necessidade. Estes cartões eram emitidos no Brasil, em bancos estrangeiros sedeados no Brasil, como o Citibank, o Bank of Boston ou o Bank of America. Entre 1975 e 1989, portanto durante cerca de 14 anos, gastei com estes cartões cerca de 10 milhões de USD, em operações em diversos países, nomeadamente pagando a informadores, políticos, militares, homens de negócios, e também traficantes de armas e de drogas, em ligação com a DEA (Drug Enforcement Agency). Existiram outros valores movimentados à parte, a partir de um saco azul, “em cash”, valores esses postos à disposição pelo chefe da estação da CIA, no local onde as operações eram realizadas. Este saco azul servia para pagar despesas como viagens, compras necessárias, etc.

Posso referir que a operação de Camarate, que a seguir irei transcrever custou a preços de 1980 entre 750.000 e 1 milhão de USD. Só o Sr. José António dos Santos Esteves recebeu 200.000 USD. Estas despesas relacionadas com a operação de Camarate, incluíram os pagamentos a diversas pessoas e participantes, como o Sr. Lee Rodrigues, como seguidamente irei descrever.

Entre 1975 e 1988, participei em vários cursos e seminários em Langley, Virgínia e Quantico, pago pela CIA, sobre informação, desinformação, contra-informação, terrorismo, contra-terrorismo, infiltrações encobertas, etc., etc.

Trabalhei em serviços de infiltração pela CIA e pela DEA (Drug Enforcement Agency), em diferentes países, como Portugal, El Salvador, Bolívia, Colômbia,Venezuela, Peru, Guatemala, Nicarágua, Panamá, Chile, Líbano, Síria, Egipto, Argélia, Marrocos, Filipinas.

A minha colaboração com a DEA, iniciou-se em 1981, através de Richard Lee Armitage. Em 1980, Richard Armitage viria também a estar comigo e com o Henry Kissinger em Paris. Richard Lee Armitage era membro do CFR (Council on Foreign Relations) e da Organização e Cooperação para a Segurança da Europa (OSCE), criada pela CIA. Richard Armitage era também membro, na altura, do Grupo Carlyle, do qual o CEO era Frank Carlucci. O Grupo Carlyle dedica-se à construcção civil, imobiliário e é um dos maiores grupos de tráfico de armas no Mundo, junto com o Grupo Haliburton, chefiado por Richard “Dick” Cheney. O Grupo Carlyle pertence a vários investidores privados dos EUA, por regra do Partido Republicano. Este Grupo promove nomeadamente vendas de armas, petróleo e cimento para países como o Iraque, Afeganistão e agora para os países da primavera árabe.

Former Pentagon chief Frank Carlucci dies at 87

A lavagem do dinheiro do tráfico de armas e da droga, era feito, na altura, pelo Banco BCCI, ligado à CIA e à NSA – National Security Agency. O BCCI foi fundado em 1972 e fechado no princípio dos anos 90, devido aos diversos escândalos em que esteve envolvido.

Oliver North pertencia ao Conselho Nacional de Segurança, às ordens de William Walker, ex-embaixador dos EUA em El Salvador. Oliver North seguiu e segue sempre as ordens da CIA, dependente de William Casey. Oliver North está hoje retirado da CIA, e é CEO de vários grupos privados americanos, tal como Frank Carlucci.

Da DEA conheci Celerino Castilho, Mike Levine, Anabelle Grimm e Brad Ayers, tendo trabalhado para a DEA entre 1975 até 1989. Da CIA trabalhei também com Tosh Plumbey, Ralph Mcgehee – tenente coronel da NSA, actualmente reformado. Da CIA trabalhei ainda com Bo Gritz e Tatum. Estes dois agentes tinham a sua base de operações em El Salvador, (onde eu também estive durante os anos 80, durante o tráfico Irão-Contras), desenvolvendo nomeadamente actividades com tráfico de armas. Uma das suas operações consistiu no transporte de armas dos EUA para El-Salvador, que eram depois transportadas para o Irão e a Nicarágua. Os aviões, normalmente panamianos e colombianos regressavam depois para os EUA com droga, nomeadamente cocaína, proveniente de países como a Colômbia, Bolívia e El Salvador, que serviam para financiar a compra de armas. Esta actividade desenvolveu-se essencialmente desde os finais dos anos 70 até 1988.

A cocaína vinha nomeadamente da Ilha Normans Cay, nas Bahamas, de que era proprietário Carlos Lheder Rivas. Carlos Rivas era um dos chefes do Cartel de Medellin, trabalhando para este cartel e para ele próprio. Carlos Rivas era, neste contexto, um personagem importante, sendo o braço direito de Roberto Vesco, que trabalhava para a CIA e para a NSA. Roberto Vesco era proprietário de Bancos nas Bahamas, nomeadamente o Colombus Trust. Carlos Rivas fazia toda a logística de Roberto Vesco e forneciam armas a troco de cocaína, nomeadamente ao movimento de guerrilha Colombiano M19. Roberto Vesco está hoje refugiado em Cuba.

O dinheiro das operações de armas e de droga são lavadas no Banco BCCI e noutros bancos, com o nome de código “Amadeus“. Há no entanto contas activas nas Bahamas e em Norman’s Cay, nas Ilhas Jersey, que gerem contas bancárias, nomeadamente para o tráfico de armas para os “Contras” da Nicarágua, e para o Irão.

Como acima referi, muito desse dinheiro foi para bancos americanos e franceses, o que em parte explicará por que é que Manuel Noriega foi condenado a 60 anos de prisão, tendo primeiro estado preso nos EUA, depois em França, e actualmente no Panamá. Foi preso porque era conveniente que estivesse calado, não referindo nomeadamente que partilhava com a CIA, o dinheiro proveniente da venda de armas e da venda de drogas. Noriega movimentava contas bancárias em mais de 120 bancos, com conhecimento da CIA. Noriega fazia também parte da operação Black Eagle, dedicada ao tráfico de armas e de droga, que em 1982 se transformou numa empresa chamada Enterprise, com a colaboração de Oliver North e de Donald Gregg da CIA. Em face do grau de informações e de conhecimento que tinha, é fácil de perceber porquê se verificou o derrube e a prisão de Noriega. Devo dizer que estou pessoalmente admirado que não o tenham até agora “suicidado“, pois deve ter muitos documentos ainda guardados. Noriega tinha a intenção de contar tudo o que sabia sobre este tráfico, nomeadamente sobre os serviços prestados à CIA e a Bush Pai, tendo por isso sido preso. Washington e a CIA são assim veículos importantes do tráfico de armas e de droga, utilizando nomeadamente os pontos de apoio de South Flórida e do Panamá.

No início dos anos 80 conheci um traficante do cartel de Cali, de nome Ramon Milian Rodriguez, que depôs mais tarde perante uma comissão do Senado Americano, onde falou do tráfico de armas e de droga, do branqueamento de dinheiro, bem como das cumplicidades de Oliver North neste tráfico às ordens de Bush Pai e do Donald Gregg.

November 25, 1986 – President Reagan Acknowledges Sending Arms to ...

Muito do dinheiro gerado nessas vendas foi para bancos americanos e franceses. Este dinheiro servia também para compras de propriedades imobiliárias. Por estar ligado a estas operações, Noriega foi preso pelos EUA.

Foi numa operação de droga que realizei na Colômbia e nas Bahamas, em 1984, onde se deu a prisão de Carlos Lheder Rivas, do Cartel de Medellín, em que eu não concordei com os agentes da DEA da estação de Miami, pois eles queriam ficar com 10 milhões de dólares e com o avião “lear-jet” provenientes do tráfico de droga. Não concordando, participei desses agentes ao chefe da estação da DEA de Miami. Este chefe mandou-lhes então levantar um inquérito, tendo sido presos pela própria DEA. A partir de aí a minha vida tornou-se num verdadeiro inferno, nomeadamente com a realização de armadilhas, e detenções, tendo acabado por sair da CIA em 1989, a conselho de Frank Carlucci. O principal culpado da minha saída da CIA e da DEA foi John C. Lawn, director da estação da DEA e amigo de Noriega e de outros traficantes. John Lawn encobriu, ou tentou encobrir, todos os agentes da DEA que denunciei aquando da prisão de Carlos Rivas. Após a minha saída da CIA, Frank Carlucci continuou contudo a ajudar-me com dinheiro, com conselhos e com apoio logístico, sempre que eu precisei até 1994.

Regressando contudo à minha actividade em Portugal, anteriormente a Camarate e ao serviço da CIA, devo referir que conheci Frank Carlucci, em 1975, através de duas pessoas: um jornalista Português da RTP, já falecido, chamado Paulo Cardoso de Oliveira, que conhecera em Angola, e que era agente da CIA, e Gary Van Dyk, agente da BOSS (Sul-Africana) que conheci também em Angola. Mantive contactos directos frequentes com Frank Carlucci, sobretudo entre 1975 e 1982, de quem recebi instruções para vários trabalhos e operações. Os meus contactos com Frank Carlucci mantêm-se até hoje, com quem falo ainda ocasionalmente pelo telefone. A última vez que estive com ele foi em Madrid, em 2008, na escala de uma viagem que Frank Carlucci realizou à Turquia.

Em Lisboa, também lidei e recebi ordens de William Hasselberg – antena da CIA em Lisboa, que além de recolher informacões em Lisboa actua como elo de ligação entre portugueses e americanos. Tive inclusivamente uma vida social com William Hasselberg, que inclui uma vida nocturna em Lisboa, em diferentes bares, restaurantes, e locais públicos. William Hasselberg gostava bastante da vida nocturna, onde tinha muito gosto em aparecer com as suas diversas “conquistas” femininas. Trabalhei também com outros agentes da CIA, nomeadamente Philip Agee. Neste âmbito, trabalhei em operações de tráfico de armas, e em infiltrações em organizações com o objectivo de obter informações políticas e militares. “Billie” Hasselberg fala bem português, e era grande amigo de Artur Albarran. Hasselberg e Albarran conheceram-se numa festa da embaixada da Colômbia ou Venezuela, tendo Albarran casado nessa altura, nos anos 80, com a filha do embaixador, que foi a sua primeira mulher.

Das reuniões que tive com a embaixada americana em Lisboa, a partir de 1978, conheci vários agentes da CIA. O Chefe da estação da CIA em Portugal, John Logan, oferece-me um livro seu autografado. Conheci também o segundo chefe da CIA, Sr. Philip Snell, Sr. James Lowell, e o Sr. Arredondo. Da parte militar da CIA conheci o cor. Wilkinson, a partir de quem conheci o coronel Oliver North e o coronel Peter Bleckley. O coronel Oliver North, militar mas também agente da CIA e o coronel Peter Bleckley, são os principais estrategas nos contactos internacionais, com vista ao tráfico e venda de armas, nomeadamente com países como o Irão, Iraque, Nicarágua, e o El Salvador. Na sequência do conhecimento que fiz com Oliver North , tive várias reuniões com ele e com agentes da CIA, por causa do tráfico e negócio de armas. Estas reuniões tiveram lugar em vários países, como os EUA, o México, a Nicarágua, a Venezuela, o Panamá. Neste último país contactei com dois dos principais adjuntos de Noriega, José Bladon, chefe dos serviços secretos do Panamá, que me disse que praticamente todos os embaixadores do Panamá em todo o Mundo estavam ao serviço de Noriega.

TIME Magazine Cover: Ronald Reagan's Secret Dealings With Iran ...

Blandon pediu-me na altura se eu arranjava um Rolls Royce Silver Spirits, para o embaixador do Panamá em Lisboa, o que acabei por conseguir.

Em meados de 1980, Frank Carlucci refere-me, por alto, e pela primeira vez, que eu iria ser encarregue de fazer um “trabalho” de importância máxima e prioritária em Portugal, com a ajuda dele, da CIA, e da Embaixada dos EUA em Portugal, sendo-me dado, para esse efeito, todo o apoio necessário.

Tenho depois reuniões em Lisboa, com o agente da CIA, Frank Sturgis, que conheço pela primeira vez. Frank Sturgis é uma pessoa de aspecto sinistro e com grande frieza, e é organizador das forças anti-castristas, sediadas em Miami, e é elo de ligação com os “contra” da Nicarágua. Frank Sturgis refere-me então, que está em marcha um plano para afastar, definitivamente, (entenda-se eliminar) uma pessoa importante, ligada ao Governo Português de então, sem dizer contudo ainda nomes.

Algum tempo depois, possivelmente em Setembro ou Outubro de 1980, jogo ténis com Frank Carlucci quase toda a tarde, na antiga residência do embaixador dos EUA, na Lapa. Janto depois com ele, onde Frank Carlucci refere novamente que existem problemas em Portugal para a venda e transporte de armas, e que Francisco Sá Carneiro não era uma pessoa querida dos EUA. Depois já na sobremesa, juntam-se a nós o General Diogo Neto, o Coronel Vinhas, o Coronel Rebocho Vaz e Paulo Cardoso, onde se refere novamente a necessidade de se afastarem alguns obstáculos existentes ao negócio de armas. Todos estes elementos referem a Frank Carlucci que eu sou a pessoa indicada para a preparação e implementação desta operação.

Em Outubro de 1980, há um jantar no Hotel Sheraton onde participo eu, Frank Sturgis (CIA), Vilfred Navarro (CIA), o General Diogo Neto e o Coronel Vinhas (já falecidos), onde se refere que há entraves ao tráfico de armas que têm de ser removidos. Depois há um outro jantar também no Hotel Sheraton, onde participam, entre outros, eu e o Coronel Oliver North, onde este diz claramente que “é preciso limar algumas arestas” e "se houver necessidade de se tirar alguém do caminho, tira-se", dando portanto a entender que haverá que eliminar pessoas que criam problemas aos negócios de venda de armas. Oliver North diz-me também que está a ter problemas com a sua própria organização, e que teme que o possam querer afastar e “deixar cair”, o que acabou por acontecer.

Há também portugueses que estavam a beneficiar com o tráfico de armas, como o Major Canto e Castro, o General Pezarat Correia, Franco Charais e o empresário Zoio. Sabe-se também já nessa altura que Adelino Amaro da Costa estava a tentar acabar com o tráfico de armas, a investigar o fundo de desenvolvimento do Ultramar, e a tentar acabar com lobbies instalados. Afastar essas duas pessoas pela via política era impossível, pois a AD tinha ganho as eleições. Restava portanto a via de um atentado.

Passados alguns dias, recebo um telefonema do Major Canto e Castro (pertencente ao Conselho da Revolução), que eu já conhecia de Angola, pedindo para eu me encontrar com ele no Hotel Altis. Nessa reunião está também Frank Sturgis, e fala-se pela primeira vez em “atentado“, sem se referirem ainda quem é o alvo. Referem que contam comigo para esta operação. O Major Canto e Castro diz que é preciso recrutar alguém capaz de realizar esta operação.

Miguel Bruno Duarte: A operação de Camarate

Tenho depois uma segunda reunião no Hotel Altis com Frank Sturgis e Philip Snell, onde Frank Sturgis me encarrega de preparar e arranjar alguns operacionais para uma possível operação dentro de pouco tempo, possivelmente dentro de 2 ou 3 meses. Perguntam-me se já recrutei a pessoa certa para realizar este atentado, e se eu conheço algum perito na fabricação de bombas e em armas de fogo. Respondo que em Espanha arranjaria alguém da ETA para vir cá fazer o atentado, se tal fosse necessário. Quem paga a operação e a preparação do atentado é a CIA e o Major Canto e Castro. Canto e Castro colabora na altura com os Serviços Secretos Franceses, para onde entrou através do sogro na época. O sogro era de Nacionalidade Belga, que trabalhava para a SDEC, os serviços de inteligência franceses, em 1979 e 1980. Canto e Castro casou com uma das suas filhas, quando estava em Luanda, em Angola, ao serviço da Força Aérea Portuguesa. Em Luanda, Canto e Castro vivia perto de mim.

Tendo que organizar esta operação, falo então com José Esteves e mais tarde com Lee Rodrigues (que na altura ainda não conhecia). O elo de ligação de Lee Rodrigues em Lisboa era Evo Fernandes, que estava ligado à resistência moçambicana, a Renamo. Falo nessa altura também com duas pessoas ligadas à ETA militar, para caso do atentado ser realizado através de armas de fogo.

Depois, noutro jantar em casa de Frank Carlucci, na Lapa, na mansarda, no último andar, onde jantamos os dois sozinhos, Frank Carlucci diz abertamente e pela primeira vez, o que eu tinha de fazer, qual era a operação em curso e que esta visava Adelino Amaro da Costa, que estava a dificultar o transporte e venda de armas a partir de Portugal ou que passavam por Portugal, e que havia luz verde dada por Henry Kissinger, e que essa ordem me seria dada directamente em Paris.

Poucos dias depois vôo com Philip Snell para Paris, ficando no Hotel Baltimore, na Avenida Bis Kleber. Philip Snell faz uma reserva para um alto cargo dos EUA, no Hotel George V. Depois, juntamente com Philip Snell, desloco-me ao restaurante Fouquet's, nos Champs Elisées, onde me encontro com Henry Kissinger e Oliver North. Cumprimento ambos, referindo que sou "o homem deles em Lisboa".

Três semanas antes do atentado, Canto e Castro e Frank Sturgis, referem pela primeira vez, que o alvo do atentado é Adelino Amaro da Costa. O Major Canto e Castro afirma que irá viajar para Londres. Frank Sturgis pede-me que obtenha um cartão de acesso ao aeroporto para um tal Lee Rodrigues, que é referido como sendo a pessoa que levará e colocará a bomba no avião.



Recebo depois um telefonema de Canto e Castro, referindo que está em Londres e para eu ir ter lá com ele. Refere-me que o meu bilhete está numa agência de viagens situada na Av. da República, junto à pastelaria Ceuta. Chegado a Londres fico no Hotel Grosvenor, ao pé de Victoria Station. Canto e Castro vai buscar-me e leva-me a uma casa perto do Hotel, onde me mostra, pela primeira vez, o material, incluindo explosivos, que servirão para confeccionar a “bomba” nesta operação. Essa casa em Londres, era ao mesmo tempo residência e consultório de um dentista indiano, amigo de Canto e Castro. Canto e Castro refere-me que esse material será levado para Portugal pela sua companheira Juanita Valderrama. O Major Canto e Castro pede-me então que vá ao Hotel Altis recolher o material. Vou então ao Hotel acompanhado de José esteves, e recebemos uma mala e uma carta da senhora Juanita. José Esteves prepara então uma bomba destinada a um avião, com esses materiais, com a ajuda de Carlos Miranda.

O Major Canto e Castro volta depois de Londres, encontra-se comigo, e digo-lhe que a bomba está montada. Lee Rodrigues é-me apresentado pelo Major Canto e Castro. Alguns dias depois Lee Rodrigues telefona-me e encontramo-nos para jantar no restaurante Galeto, junto ao Saldanha, juntamente com Canto e Castro, onde aparece também Evo Fernandes, que era o contacto de Lee Rodrigues em Lisboa. Fora Evo Fernandes que apresentara Lee Rodrigues a Canto e Castro. Lee Rodrigues era moçambicano e tinha ligações à Renamo. Nesse jantar alinham-se pormenores sobre o atentado. Canto e Castro refere contudo nesse jantar que o atentado será realizado em Angola. Perante esta afirmação, pergunto se ele está a falar a sério ou a brincar, e se me acha com “cara de palhaço”, fazendo tenção de me levantar. Refiro que, através de Frank Carlucci, já estava a par de tudo. Lee Rodrigues pede calma, referindo depois Canto e Castro que desconhecia que eu já estava a par de tudo, mas que sendo assim nada mais havia a esconder.

Possivelmente em Novembro, é-me solicitado por Philip Snell que participe numa reunião em Cascais, num iate junto à antiga marina (na altura não existia a actual marina). Vou e levo comigo José Esteves. Essa reunião tem lugar entre as 20 e as 23 horas, nela participando Philip Snell, Oliver North, Frank Sturgis, Sydral e Lee Rodrigues e mais cerca de 2 ou 3 estrangeiros, que julgo serem americanos. Nesta reunião é referido que há que preparar com cuidado a operação que será para breve, e falam-se de pormenores a ter em atenção. É referido também os cuidados que devem ser realizados depois da operação, e o que fazer se algo correr mal. A língua utilizada na reunião é o inglês. José Esteves recebeu então USD 200.000 pelo seu futuro trabalho. Eu não recebi nada pois já era pago normalmente pela CIA. Eu nessa altura recebia da CIA o equivalente a cinco mil dólares, dispondo também de dois cartões de crédito Diner’s Club e Visa Gold, ambos com plafonds de 10.000 dólares.

48 Cia Headquarters Videos and HD Footage - Getty Images

Lee Rodrigues pede-me então que arranje um cartão para José Esteves entrar no aeroporto. Para este efeito, obtenho um cartão forjado, na mouraria, em Lisboa, numa tipografia que hoje já não existe. Lee Rodrigues diz-me também que irá obter uma farda de piloto numa loja ao pé do Coliseu, na Rua das Portas de Santo Antão. A meu pedido, João Pedro Dias, que era carteirista, arranja também um cartão para Lee Rodrigues. Este cartão foi obtido por João Pedro Dias, roubando o cartão de Miguel Wahnon, que era funcionário da TAP. Apenas foi necessário mudar-se a fotografia desse cartão, colocando a fotografia de Lee Rodrigues.

José Esteves prepara então em sua casa no Cacém, um engenho para o atentado. Conta com a colaboração de outro operacional chamado Carlos Miranda, especialista em explosivos, que é recrutado por mim, e que eu já conhecia de Angola, quando Carlos Miranda era comandante da FNLA e depois CODECO em Portugal. José Esteves foi também um dos principais comandantes da FNLA, indo muitas vezes a Kinshasa.

Depois do artefacto estar pronto, vou novamente a Paris. No Hotel Ritz, à tarde, tenho um encontro com Oliver North, o Cor. Wilkinson e Philip Snell, onde se refere que o alvo a abater era Adelino Amaro da Costa, Ministro da Defesa.

Volto a Portugal, cerca de 5 ou 6 dias antes do atentado. É marcado por Oliver North um jantar no Hotel Sheraton. Nesse jantar aparece e participa um indivíduo que não conhecia e que me é apresentado por Oliver North, chamado Penaguião. Penaguião afirma ser segurança pessoal de Sá Carneiro. Oliver North refere que Penaguião faz parte da segurança pessoal de Sá Carneiro e que é o homem que conseguirá meter Sá Carneiro no Avião. Penaguião afirma, de forma fria e directa que Sá Carneiro também iria no avião, “pois dessa forma matavam dois coelhos de uma cajadada!” Afirma que a sua eliminação era necessária, uma vez que Sá Carneiro era anti-americano, e apoiava incondicionalmente Adelino Amaro da Costa na denúncia do tráfico de armas, e na descoberta do chamado saco azul do Fundo de Defesa do Ultramar, pelo que tudo estava, desde o início, preparado para incluir as duas pessoas: Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa. Fico muito receoso, pois só nesse momento fiquei a conhecer a inclusão de Sá Carneiro no atentado. Pergunto a Penaguião como é que ele pode ter a certeza de que Sá Carneiro irá no avião, ao que Penaguião responde de que eu não me preocupasse pois que ele, com mais alguém, se encarregaria de colocar Sá Carneiro naquele avião naquele dia e naquela hora, pois ele coordenava a segurança e a sua palavra era sempre escutada. No final do jantar, juntam-se a nós os três o General Diogo Neto e o Coronel Vinhas.

Fico estarrecido com esta nova informação sobre Sá Carneiro, e decido ir, nessa mesma noite, à residência do embaixador dos EUA, na Lapa, onde estava Frank Carlucci, a quem conto o que ouvi. Frank Carlucci responde que não me preocupasse, pois este plano já estava determinado há muito tempo. Disse-me que o homem dos EUA era Mário Soares, e que Sá Carneiro, devido à sua maneira de ser, teimoso e anti-americano, não servia os interesses estratégicos dos EUA. Mário Soares seria o futuro apoio da política americana em Portugal, junto com outros lideres do PSD e do PS. Aceito então esta situação, uma vez que Frank Carlucci já me havia dito antes que tudo estava assegurado, inclusivamente se algo corresse mal, como a minha saída de Portugal, a cobertura total para mim e para mais alguém que eu indicasse, e que pudesse vir a estar em perigo. Isto é a usual “realpolitik” dos Estados Unidos, e suspeito que sempre será.

Três dias antes do atentado há uma nova reunião, na Rua das Pretas no Palácio Roquete, onde participam Canto e Castro, Farinha Simões, Lee Rodrigues, José Esteves e Carlos Miranda. Carlos Miranda colaborou na montagem do engenho explosivo com José Esteves, tendo ido várias vezes a casa de José Esteves. Nessa reunião são acertados os últimos pormenores do atentado. Nessa reunião, Lee Rodrigues diz que ele está preparado para a operação e Canto e Castro diz que o atentado será a 3 ou 4 de Dezembro. Nessa reunião é dito que o alvo é Adelino Amaro da Costa. No dia seguinte encontramo-nos com Canto e Castro no Hotel Sheraton, e vamos jantar ao restaurante “O Polícia”.

A maior vergonha da justiça portuguesa: “Acidente” de Camarate 38 ...

No dia 4 de Dezembro, telefono de um telefone no Areeiro, para o Sr. William Hasselberg, na Embaixada dos EUA, para confirmar que o atentado é para realizar, tendo-me este referido que sim. Desse modo, à tarde, José Esteves traz uma mala a minha casa, e vamos os dois para o aeroporto. Conduzo José Esteves ao aeroporto, num BMW do José Esteves.

Já no aeroporto, José Esteves e eu entramos no aeroporto, por uma porta lateral, junto a um posto da Guarda Fiscal, utilizando o cartão forjado, anteriormente referido. Depois José Esteves desloca-se e entrega a mala, com o engenho, a Lee Rodrigues, que aparece com uma farda de piloto e é também visto por mim. Depois de cerca de 15 minutos, sai já sem a mala, e sai comigo do aeroporto. Separamo-nos, mas mais tarde José Esteves encontra-se novamente comigo no cabeleireiro Baeta, no centro comercial Alvalade.

Depois José Esteves aparece em minha casa com a companheira da época, de nome Gina, e com um saco de roupa para lá ficar por precaução. Ouvi-mos depois o noticiário das 20 horas na televisão, e José Esteves fica muito surpreendido, pois não sabia que Sá Carneiro também ia no avião.

Afirma que fomos enganados. Telefona então para Lencastre Bernardo, que tinha grandes ligações à PJ e à PJ Militar, e uma Ligação ao General Eanes. Lencastre Bernardo tem também ligações a Canto e Castro, Pezarat Correia, Charais, ao empresário Zoio a José António Avelar que era ex-braço direito de Canto e Castro. José Esteves telefona-lhe, e pede para se encontrar com ele. Este aceita, pelo que, pelas 23 horas, José Esteves, eu, e a minha mulher Elza, dirigimo-nos para a Rua Gomes Freire, na PJ, para falar com ele. José Esteves sobe para falar com Lencastre Bernardo que lhe tinha dito que não se preocupasse, pois nada lhe sucederia. Passámos contudo por casa de José Esteves pois este temia que aí houvesse já um conjunto de polícias à sua procura, devido a considerarem que ele estava associado à queda do avião em Camarate. José Esteves ficou assim aliviado por verificar que não existia aparato policial à porta de sua casa. Vem contudo dormir para minha casa.

Alguns dias depois falei novamente com Frank Carlucci. A quem manifestei o meu desconhecimento e ter ficado chocado por ter sabido, depois de o avião ter caído, que acompanhantes e familiares do Primeiro Ministro e do Ministro da Defesa também tinham ido no Avião. Frank Carlucci respondeu-me que compreendia a minha posição, mas que também ele desconhecia que iriam outras pessoas no avião, mas que agora já nada se podia fazer.

Camarate, 34 anos depois, acabe-se com os inquéritos inócuos, faça ...

Em 1981, encontro-me com Victor Pereira, na altura agente da Polícia Judiciária, no restaurante Galeto, em Lisboa. Conto a Victor Pereira que alguns dos atentados estão atribuídos às Brigadas Revolucionárias, relacionados com a colocação de bombas, foram porém efectuados pelo José Esteves, como foram os casos dos atentados à bomba na Embaixada de Angola, de Cuba (esta última com conhecimento de Ramiro Moreira), na casa de Torres Couto, na casa do prof. Diogo Freitas do Amaral, na casa do Eng. Lopes Cardoso, e na casa de Vasco Montez, a pedido deste, junto ao Jumbo em Cascais, para obter sensacionalismo à época, tendo José Esteves espalhado panfletos iguais aos da FP25. Não falei então com Victor Pereira sobre Camarate. Tomei conhecimento no entanto que Victor Pereira, no dia 4 de Dezembro de 1980, tendo ido nessa noite ao aeroporto da Portela, como agente da PJ, encontrou a mala que era transportada pelo eng. Adelino Amaro da Costa. Nessa mala estavam documentos referentes ao tráfico de armas e de pessoas envolvidas com o Fundo de Defesa do Ultramar. Salvo erro, Victor Pereira entregou essa mala ao inspector da PJ Pedro Amaral, que por sua vez a entregou na PJ. Disse-me então Victor Pereira que essa mala, de maior importância no caso de Camarate, pelas informações que continha, e que podiam explicar os motivos e as pessoas por detrás deste atentado, nunca mais voltou a aparecer. Esta informação foi-me transmitida por Victor Pereira, quando esteve preso comigo na prisão de Sintra, em 1986. Não referi então a Victor Pereira que, como descrevo a seguir, eu tinha já tido contacto com essa mala, em finais de 1982, pelo facto de trabalhar com os serviços secretos na Embaixada dos EUA.

Também em 1981, uns meses depois do atentado, eu e o José Esteves fomos ter com o Major Lencastre Bernardo, na Polícia Judiciária, na Rua Gomes Freire. Com efeito, tanto o José Esteves como eu, andávamos com medo do que nos podia suceder por causa do nosso envolvimento no atentado de Camarate, e queríamos saber o que se passava com a nossa protecção por causa de Camarate. Eu não participo na reunião, fico à porta. Contudo José Esteves diz-me depois que nessa conversa Lencastre Bernardo lhe referiu que, numa anterior conversa com Francisco Pinto Balsemão, este lhe havia dito ter tido conhecimento prévio do atentado de Camarate, pois em Outubro de 1980, Kissinger o informou de que essa operação ia ocorrer. Disse-lhe também que ele próprio tinha tido conhecimento prévio do atentado de Camarate. Disse-lhe ainda que podíamos estar sossegados quanto a Camarate, pois não ia haver problemas connosco, pois a investigação deste caso ia morrer sem consequências.

A este respeito gostaria de acrescentar que numa reunião que tive, a sós, em 1986, com Lencastre Bernardo, num restaurante ao pé do edifício da PJ na Rua Gomes Freire, ele garantiu-me que Pinto Balsemão estava a par do que se ia passar em 4 de Dezembro. No restaurante Fouchet’s, em Paris, Kissinger tinha-me dito, “por alto”, que o futuro Primeiro Ministro de Portugal seria Pinto Balsemão.

O Bar do Alcides: A TRAIÇÃO A PORTUGAL (4º PARTE).

É importante referir que tanto Henry Kissinger como Pinto Balsemão eram já, em 1980, membros destacados do grupo Bilderberg, sendo certo que estas duas pessoas levavam convidados às reuniões anuais desta organização.

Deste modo, aquando da conversa com Lencastre Bernardo, em 1986, relacionei o que ele me disse sobre Pinto Balsemão, com o que tinha ouvido em Paris, em 1980. Tive também esta informação, mais tarde, em 1993, numa conversa que tive com William Hasselberg, em Lisboa, quando este me confirmou de que Pinto Balsemão estava a par de tudo.

Em finais de 1982, pelas informações que vou obtendo na Embaixada dos EUA, em Lisboa, verifico que se fala de nomes concretos de personalidades americanas como tendo estado envolvidas em tráfico de armas que passava por Portugal. Pergunto então a William Hasselberg como sabem destes nomes. Ao fim de muitas insistências minhas, William Hasselberg acaba por me dizer que a PJ entregou, na embaixada dos EUA, uma mala com os documentos transportados por Adelino Amaro da Costa, em 4 de Dezembro de 1980, e que ficou junto aos destroços do avião, embora não me tenha dito quem foi a pessoa da PJ que entregou esses documentos. Peço então a William Hasselberg que me deixe consultar essa mala, uma vez que faço também parte da equipa da CIA em Portugal. Ele aceita, e pude assim consultar os documentos aí existentes, que consistiam em cerca de 200 páginas. Pude assim consultar este Dossier durante cerca de uma semana, tendo-o lido várias vezes, e resumido, à mão, as principais partes, uma vez que não tinha como fotografá-lo ou copiá-lo.

Vejo então, que apesar do desastre do avião, e da pasta de Adelino Amaro da Costa ter ficado queimada, e ter sido substituída por outra, os documentos estavam intactos. Estes documentos continham uma lista de compra de armas, que incluía nomeadamente RPG-7, RPG-27, G3, lança-granadas, dilagramas, munições, granadas, minas, rádios, explosivos de plástico, fardas, kalashiskovs AK-47 e obuses. Referia-se também nesses documentos que para se iludir as pistas, as vendas ilegais de armas eram feitas através de empresas de fachada, com os caixotes a referir que a carga se tratava de equipamentos técnicos, e peças sobresselentes para máquinas agrícolas e para a construção civil. Esta forma de transportar armas foi-me confirmada várias vezes por Oliver North, no decorrer da década de 80, até 1988, e quando estive em Ilopango, no El Salvador, também na década de 80, verifiquei que era verdade.

Nestes documentos lembro-me de ver que algumas armas vinham da empresa portuguesa Braço de Prata, bem como referências de vendas de armas de Portugal e de países de Leste, como a Polónia e a Bulgária, com destino para a Nicarágua, Irão, El Salvador, Colômbia, Panamá, bem como para alguns países Africanos que estavam em guerra, como Angola, ANC da África do Sul, Nigéria, Mali, Zimbawe, Quénia, Somália, Líbia, etc. Está também claramente referido nesses documentos que a venda de armas é feita através da empresa criada em Portugal chamada “Supermarket” (que operava através da empresa mãe “Black-Eagle”).

Ambiente Ondas3: Janeiro 2013

Nos referidos documentos vi também que as vendas de armas eram legais através de empresas portuguesas, mas também havia vendas de armas ilegais feitas por empresas de fachada, com a lavagem de dinheiro em bancos suíços e “off-shores” em nome dos detentores das contas, tanto pessoas civis como militares.

As vendas ilegais de armas ocorriam por várias razões, nomeadamente: Em primeiro lugar, muitos dos países de destino, tinham oficialmente sanções e embargos de armas. Em segundo lugar, os EUA não queriam oficialmente apoiar ou vender armas a certos países, nomeadamente aos contra da Nicarágua, ou ao Irão e ao Iraque, a quem vendiam armas ao mesmo tempo, e sem conhecimento de ambos. Em terceiro lugar, a venda de armas ilegal é mais rentável e foge aos impostos. Em quarto lugar, a venda de armas ilegal permite o branqueamento de capitais, que depois podiam ser aproveitados para outros fins.

Entre os nomes que vi referidos nestes documentos figuravam:


José António Avelar
Coronel Vinhas
General Diogo Neto
Major Canto e Castro
Empresário Zoio
General Pezarat Correia
General Franco Charais
General Costa Gomes
Major Lencastre Bernardo
Coronel Rebocho Vaz
Francisco Pinto Balsemão



Francisco Balsemão e Lencastre Bernardo eram referidos como elementos de ligação ao grupo Bilderberg e a Henry Kissinger. Francisco Balsemão pertence também à loja maçónica “Pilgrim”, que é anglo-saxónica, e dependente do grupo Bilderberg. Lencastre Bernardo tinha também assinalada a sua ligação a alguns serviços de inteligência, visto ele ser, nos anos 80, o coordenador na PJ e na Polícia Judiciária Militar.

Entre as empresas portuguesas que realizavam as vendas de armas atrás referidas, entre os anos 1974 e 1980, estavam referidas neste Dossier:

– Fundição de Oeiras (morteiros, obuses e granadas);
– Cometna (engenhos explosivos e bombas);
– OGMA (Oficinas Gerais Militares de Fardamento e OGFE (Oficinas de Fardamento do Exército);
– Browning Viana S.A.;
– A. Paukner Lda, que existe desde 1966;
– Explosivos da Trafaria;
– SPEL (Explosivos);
– INDEP (armamento ligeiro e munições);
– Montagrex Lda, que actuava desde 1977, com Canto e Castro e António José Avelar [sic]. Só foi contudo oficialmente constituída em 1984, deixando, nessa altura, Canto e Castro de fora, para não o comprometer com a operação de Camarate. A Montagrex Lda operava no Campo Pequeno, e era liderada por António Avelar que era o braço direito de Canto e Castro e também sócio dessa empresa. O escritório dessa empresa no Campo Pequeno é um autêntico “bunker”, com portas blindadas, sensores, alarmes, códigos nas portas, etc.

Canto e Castro e António Avelar são também sócios da empresa inglesa BAE-Systems, sediada no Reino Unido. Esta empresa vende sistemas de defesa, artilharia, mísseis, munições, armas submarinas, minas e sobretudo sistemas de defesa anti-mísseis para barcos.

Todos estes negócios eram feitos, na sua maior parte, por ajuste directo, através de brokers – intermediários, que recebiam as suas comissões, pagas por oficiais do Exército, Marinha, Aeronáutica, etc.

Nestes documentos era referido que, como consequência destas vendas de armas, gerava-se um fluxo considerável de dinheiro, a partir destas exportações, legais e ilegais. Estes documentos referiam também a quem eram vendidas estas armas, sobretudo a países em guerra, ou ligados ao terrorismo internacional. Era também referido que todas estas vendas de armas eram feitas com a conivência da autoridade da época, nomeadamente militares como o General Costa Gomes, o General Rosa Coutinho (venda de armas a Angola) e o próprio Major Otelo Saraiva de Carvalho (venda de armas a Moçambique). Vi várias vezes o nome de Rosa Coutinho nestes documentos, que nas vendas de armas para Angola utilizava como intermediário o general reformado angolano, José Pedro Castro, bastante ligado ao MPLA, que hoje dispõe de uma fortuna avaliada em mais de 500 milhões de USD, e que dividia o seu tempo entre Angola, Portugal e Paris. O seu filho, Bruno Castro, é director adjunto do Banco BIC em Angola.

No referido Dossier estavam também referidos outros militares envolvidos neste negócio de armas, nomeadamente o Capitão Dinis de Almeida, o Coronel Corvacho, o Varela Gomes e o Carlos Fabião.

Rosa Coutinho parte para Angola – RTP Arquivos

Todas estas pessoas obtinham lucros fabulosos com estes negócios, muitas vezes mesmo antes do 25 de Abril de 1974 e até 1980. Era referido que estas pessoas, nomeadamente militares, que ajudavam nesta venda de armas, beneficiavam através de comissões que recebiam. Estavam referidos neste Dossier os nomes de “off-shores”, que eram usadas para pagar comissões às pessoas atrás referidas e a outros estrangeiros, por Oliver North ou por outros enviados da CIA. Estas “off-shores” detinham contas bancárias, sempre numeradas.

Esta referência batia certo com o que Oliver North sempre me contou, de que o negócio das armas se proporciona através de “off-shores” e bancos controlados para a lavagem de dinheiro.

Vale a pena a este respeito referir que no negócio das armas, empresas do sector das obras públicas aparecem frequentemente associadas, como a Haliburton, a Carlyle, ou a Blackwater, (empresa de armas, construção e mercenários), entre outras. Esta relação está referida, há anos, em vários relatórios, nomeadamente nos relatórios do Bribe Payer Index (índice internacional dos pagadores de subornos), que é uma agência americana. A indicação deste tipo de práticas foi desenvolvida mais tarde, pela Transparency International e pelo Comité Norte-Americano de Coordenação e Promoção do Comércio do Senado Americano, que referem que há muitos anos, mais de 50% do negócio e comércio de armas em Portugal, é feito através de subornos. Os americanos sempre usaram Portugal para o tráfico de armas, fazendo também funcionar a Base das Lajes, nos Açores, para este efeito, nomeadamente depois de 1973, aquando da guerra do Yom Kippur, entre Israel e os países árabes. Este tráfico de armas deu origem a várias contrapartidas financeiras, nomeadamente através da FLAD [Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento], que foi usada pela CIA para este efeito. A FLAD recebeu diversos fundos específicos para a requalificação de recursos humanos.

Não vi contudo neste Dossier observações referindo que estas vendas de armas eram condenáveis ou que tinham efeitos negativos. Havia contudo uma pequena nota, em algumas folhas, de que se devia tomar cuidado com tudo o que aí estava escrito, e que portanto se devia actuar. Havia também na primeira página um carimbo que dizia “confidential and restricted”.

Morreu Frank Carlucci, ex-embaixador dos EUA em Portugal | M80 Rádio

Estas vendas de armas continuaram contudo depois de 1980. Tanto quanto eu sei, estas vendas de armas continuaram a ser realizadas até 2004, embora com um abrandamento importante a partir de 1984, a partir do escândalo das fardas vendidas à Polónia.

No referido Dossier, estavam também referidas personalidades americanas envolvidas no negócio de armas, nomeadamente Bush (Pai), Dick Cheney, Frank Carlucci, Donald Gregg, vários militares, bem como a empresa Blackwater. São ainda referidas empresas ligadas aos EUA, como a Carlyle, Haliburton, Black-Eagle Enterprise, etc., que estavam a usar Portugal para os seus fins, tanto pela passagem de armas através de portos portugueses, como pelo fornecimento de armas a partir de empresas portuguesas. Tirei apontamentos desses documentos, que ainda hoje tenho em meu poder.

A empresa atrás referida, denominada Supermarket, foi criada em Portugal em 1978, e operava através da empresa mãe, de nome Black-Eagle, dirigida por William Casey, (membro do CFR (Council on Foreign Relations), ex-embaixador dos EUA nas Honduras e também com ligações à CIA). A empresa Supermarket organizava a compra de armas de fabrico soviético, através de Portugal, bem como a compra de armas e munições portuguesas, referidas anteriormente, com toda a cumplicidade de Oliver North. Estas armas iam para entrepostos nas Honduras, antes de serem enviadas para os seus destinos finais. Oliver North pagou muitas facturas destas compras em Portugal, através de uma empresa chamada Gretsh World, que servia de fachada à Supermarket. Mais tarde, cerca de 1985, quando se começou muito a falar de Camarate, Oliver North cancelou a operação “Supermarket, e fechou todas as contas bancárias.

Devo ainda referir que William Hasselberg e outros americanos da embaixada dos EUA, em Lisboa, comentaram comigo, várias vezes o que estava escrito neste Dossier. Relativamente a Hasselberg isso era lógico, pois foi ele que me deu o Dossier a ler. Posteriormente comentei também o que estava escrito neste Dossier com Frank Carlucci, que obviamente já tinha conhecimento da informação nele contida.

Tanto William Hasselberg, como membro da CIA, como outros elementos da CIA atrás referidos e outros, comentaram várias vezes comigo o envolvimento da CIA na operação de Camarate e neste negócio de armas. Lembro-me nomeadamente que quando alguém da CIA, me apresentava a outro elemento da CIA, dizia frequentemente “this is the portuguese guy, the one from Camarate, the case in Portugal with the plane!”.

As vendas de armas, a partir e através de Portugal, foram realizadas ao longo desses anos, pois era do interesse político dos EUA. A CIA organizou e implementou estas vendas de armas em Portugal, à semelhança do que sucedeu noutros países, pois era crucial para os EUA que certas armas chegassem aos países referidos, de forma não oficial, tendo para isso utilizado militares e empresários portugueses, que acabaram também por beneficiar dessas vendas.

Como anteriormente referi, William Casey e Oliver North estavam, nas décadas de 70 e 80, conluiados com o presidente Manuel Noriega, no escândalo Irão -contras (Irangate). Foi sempre Oliver North que se ocupou da questão dos reféns americanos no Irão, bem como da situação da América Central. Recebeu pessoalmente por isso uma carta de agradecimentos de George Bush Pai, Vice-Presidente à época de Ronald Reagan.

Devo dizer a este respeito que John Bush, filho de Bush Pai, então com 35 anos, a viver na Flórida, pertencia em 1979 e 1980 ao “Condado de Dade”, que era e é uma organização republicana, situada em South Flórida, destinada a angariar fundos para as campanhas eleitorais republicanas. John Bush era um dos organizadores de apoios financeiros para os “Contra” da Nicarágua.

Conheci também Monzer Al Kasser, um grande traficante de armas que tinha uma casa em Puerto Banus em Marbella, e que me foi apresentado, em Paris, por Oliver North, em 1979. Era um dos grandes vendedores de armas para os “Contra” na Nicarágua, trabalhando simultaneamente para os serviços secretos sírios, búlgaros e polacos. Na sua casa em Marbella, referiu-me também que, por vezes, o tráfico de armas era feito através de África, para que no Iraque não se apercebessem da sua proveniência, pois também vendiam ao mesmo tempo ao Irão e mesmo a Portugal. Este tráfico de armas, que estava em curso, desde há vários anos, em 1980, é o começo do caso Camarate.

Através de Al Kasser conheci, em Marbella, no final de 1981, outro famoso traficante de armas, numa festa em casa de Monzer, que se chamava Adrian Kashogi. Kashogi, como pude testemunhar em sua casa, tinha relações com políticos e empresários europeus, árabes e africanos, por regra ligados ao tráfico de armas e drogas.

Ambiente Ondas3: Camarate (31)

Sou preso em 1986, acusado de tráfico de drogas. Esta prisão foi uma armadilha montada pela DEA, por elementos que nessa organização não gostavam de mim, por eu ter levado à detenção de alguns deles, como referi anteriormente. Fui então levado para a prisão de Sintra. Estou na prisão com o Victor Pereira, que aí também estava preso. Sei, em 1986, que estavam a preparar para me eliminar na prisão, pelo que peço à minha mulher Elza, para ir falar, logo que possível, com Frank Carlucci. Em consequência disso, recebo na prisão a visita de um agente da CIA, chamado Carlston, juntamente com outro americano. Estes, depois de terem corrompido a direcção da prisão, incluindo o director, sub-director e chefe da guarda, bem como um elemento que se reformou muito recentemente, da Direcção Geral dos Serviços Prisionais, chamada Maria José de Matos, conseguem a minha fuga da prisão. Contribui ainda para esta minha fuga, mediante o recebimento de uma verba elevada, paga pelos referidos agentes americanos, por esta directora-adjunta da Direcção Geral dos Serviços Prisionais. Estes agentes americanos obtêm depois um helicóptero, que me transporta para a Lousã, onde fico cerca de 20 dias. Vou depois para Madrid, com a ajuda dos americanos, e depois daí para o Brasil. As despesas com a minha fuga da prisão custaram 25.000 euros, o que na época era uma quantia elevada.

Só mais tarde no Brasil, depois de 1986, é que referi a José Esteves que sabia que Sá Carneiro ia no avião, contando-lhe a história toda. José Esteves responde então que nesse caso tínhamos corrido um grande risco. Eu tranquilizei-o, referindo que sempre o apoiei e protegi neste atentado. Dei-lhe apoio no Brasil no que pude. Assegurei-lhe também o transporte para o Brasil, obtendo-lhe um passaporte no Governo Civil de Lisboa, entreguei-lhe 750 contos que me foram dados, para esse efeito, pela embaixada dos EUA, em Lisboa, e arranjei-lhe o bilhete de avião de Madrid para o Rio de Janeiro. Na viagem de Lisboa para Madrid, José Esteves foi levado por Victor Moura, um amigo comum. No Rio de Janeiro ajudei-o a montar uma loja, numa roulote. Como trabalhava ainda para a embaixada dos EUA, em Lisboa, estas despesas foram suportadas pela Embaixada. Ficou no Brasil cerca de dois anos. Eu, contudo, andava constantemente em viagens.

José Esteves recebe depois um telefonema de Francisco Pessoa de Portugal, onde Francisco Pessoa o aconselha a voltar a Portugal, e a pedir protecção, a troco de ir depor na Comissão de Inquérito Parlamentar sobre Camarate. Esse telefonema foi gravado, mas José Esteves nunca chegou a obter uma protecção formal.

Telefono a Frank Carlucci, em 1987, pedindo-lhe para falar com ele pessoalmente. Ele aceita, pelo que viajo do Brasil, via Miami, para Washington. Pergunto-lhe então, em face do que se tinha falado de Camarate, qual seria a minha situação, se corria perigo por causa de Camarate, e se continuarei, ou não a trabalhar para a CIA. Frank Carlucci responde-me que sim, que continuarei a trabalhar para a CIA, tendo efectivamente continuado a ser pago pela CIA até 1989. Frank Carlucci confirma nessa reunião que puderam contar com a colaboração de Penaguião na operação de Camarate, e que ele, Frank Carlucci, esteve a par dessa participação.

PALAVROSSAVRVS REX: CAMARATE, O ATENTADO

Em 1994, foi-me novamente montada uma armadilha em Portugal, por agentes da DEA que não gostavam de mim, por causa da referida prisão de agentes seus, denunciados por mim. Nesta armadilha participam também três agentes da DCITE – Portuguesa, os hoje inspectores Tomé, Sintra e Teófilo Santiago. Depois desta detenção, recebo a visita na prisão de Caxias de dois procuradores do Ministério Público, um deles, se não estou em erro, chamado Fernando Ventura, enviados por Cunha Rodrigues, então Procurador-Geral da República. Estes procuradores referem-me que me podem ajudar no processo de droga de que sou acusado, desde que eu me mantenha calado sobre o caso Camarate.

Por ser verdade, e por entender que chegou o momento de contar todo o meu envolvimento na operação de Camarate, em 4 de Dezembro de 1980, decidi realizar a presente Declaração, por livre vontade. Não podendo já alterar a minha participação nesta operação, que na altura estava longe de poder imaginar as trágicas consequências que teria para os familiares das vítimas e para o país, pude agora, ao menos, contar toda a verdade, para que fique para a História, e para que nomeadamente os portugueses possam dela ter pleno conhecimento.

Não quero, por último, deixar de agradecer à minha mãe, à minha mulher Elsa Simões, que ao longo destes mais de 35 anos, tanto nos bons como nos maus momentos, sempre esteve a meu lado, suportando, de forma extraordinária, todas as dificuldades, ausências, e faltas de dedicação à família que a minha profissão implicava. Só uma grande mulher e um grande amor a mim tornaram possível este comportamento. Quero também agradecer à minha filha Eliana, que sempre soube aceitar as consequências que para si representavam a minha vida profissional, nunca tendo deixado de ser carinhosa comigo. Finalmente quero agradecer à minha mãe que, ao longo de toda a minha vida me acarinhou e encorajou, apesar de nem sempre concordar com as minhas opções de vida. A natureza da sua ajuda e apoio, tiveram para mim uma importância excepcional, sem as quais não teria conseguido prosseguir, em muitos momentos da minha vida. Posso assim afirmar que tive sempre o apoio de uma família excepcional, que foi para mim decisiva nos bons e maus momentos da minha vida.»

Lisboa, 26 de Março de 2012
Fernando Farinha Simões
B.I. n.º 7540306






O repugnante mundo novo!

  Aldous Huxley, autor de ‘Admirável Mundo Novo’, enviou carta para o aluno George Orwell após ler ‘1984’ Por Vitor Paiva Quando um autor la...